Mayra busca o ouro na despedida da ''juventude''

Atleta de 19 anos disputa seu último torneio entre os juniores. E, após dois bronzes e uma prata, busca o lugar mais alto

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2010 | 00h00

Mayra Aguiar está a poucos combates da plena maioridade. Aos 19 anos, a judoca disputa hoje sua última competição como júnior. E ela espera que a despedida da "juventude" seja com a medalha de ouro na categoria meio-pesado (até 78 kg), única que ainda não conquistou em sua vitoriosa carreira pelas categorias de base do Brasil.

"Como este é o meu último Mundial Júnior, sonho com o lugar mais alto do pódio, sim", diz Mayra, dona de dois bronzes (em Santo Domingo/2006 e Paris/2009) e uma prata (Bangcoc/2008). "Eu já tenho outras três medalhas, mas, com certeza, a dourada tem um gostinho especial. Quero muito."

A última delas, no ano passado, foi obtida após um período de incertezas - em dezembro de 2008, havia sofrido uma séria lesão no joelho direito, que a tirou dos tatames por quase um ano.

A precocidade tem acompanhado a carreira da gaúcha, que disputou seu primeiro Mundial com 14 anos e, desde 2007, fica dividida entre o time júnior e o adulto - foi surpresa no Pan do Rio ao conquistar a medalha de prata ainda como faixa marrom.

"Participar das duas seleções tem suas vantagens. A principal é levar a experiência do sênior para o júnior. Mas, na base, o pessoal brinca mais, é mais doidinho", compara Mayra, que ocupa o posto de atleta mais velha da equipe pela primeira vez. "Tento dar uma ajuda, especialmente para as gurias. Vou ficar com saudade, mas sei que aproveitei tudo o que podia."

Fazendo história. Há pouco mais de 40 dias, Mayra conquistou o maior resultado do judô feminino brasileiro ao alcançar a final do Mundial Adulto, em Tóquio - até então, nenhuma atleta do País tinha avançado a uma decisão. Ficou com a prata, após perder da americana Kayla Harrison pelo placar mínimo (yuko), na prorrogação. Mal chegou do Japão, na metade de setembro, e Mayra já teve de defender seu clube, a Sogipa, no Troféu Brasil e o Grand Prix. "Fiquei no máximo uma semaninha na praia", brinca.

Sétima do mundo, a judoca admite que, com a maioridade, terá de lidar com maior pressão por resultados. "É claro que fica essa expectativa. No judô, se a gente pisca, perde uma luta", pondera.

Na quinta-feira, Mayra já se reúne com o time adulto - sua única seleção daqui por diante - para a disputa do Mundial por Equipes, na Turquia. Entre as competições que garantem pontos no ranking mundial, classificatório para os Jogos de Londres, em 2012, a principal será o Grand Slam de Tóquio, em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.