Mayra exalta bronze e planeja ouro no judô em Londres

Dos 14 judocas que foram campeões mundiais em 2007, só dois deles ficaram com o ouro nas Olimpíadas de Pequim, no ano seguinte. Em Atenas, só três dos vencedores do Mundial de 2003 repetiram o título. É com base nesta estatística histórica que Mayra Aguiar mostra otimismo para os Jogos Olímpicos de Londres, no ano que vem. Nesta sexta-feira, ela ficou com o bronze na categoria meio-pesado no Mundial de Paris.

WILSON BALDINI JR., Agência Estado

26 de agosto de 2011 | 15h29

"Queria o ouro, mas a Rosi (Rosicleia Campos, técnica da equipe feminina) contou que o Aurélio Miguel tem a teoria de que quem é campeão mundial no ano pré-olímpico não ganha ouro na Olimpíada. Então espero que dê tudo certo em Londres", disse Mayra, de apenas 20 anos, se referindo ao campeão olímpico de 1988.

No Mundial do ano anterior, em Tóquio, Mayra havia ficado com a prata. Ela desceu um degrau em Paris, mas continuou no pódio e por isso exalta a conquista "Esse bronze vai marcar minha carreira também, é um grande feito", diz a jovem judoca, que competia na categoria até 70kg, mas mudou de peso - para até 78kg - após os Jogos de Pequim. "Já estou me sentindo bem na categoria", garante.

Com a medalha de Mayra, o Brasil chega a uma marca notável. Todos os quatro medalhistas do Mundial anterior conseguiram voltar ao pódio em Paris. Além dela, Leandro Cunha repetiu a prata nas duas edições, assim como Sarah Menezes, dona de dois bronzes. Leandro Guilheiro, vice-campeão no Japão, foi bronze na França. Rafaela Silva, prata em Paris, ingressou no hall dos medalhistas. Esta é a melhor participação do País em número de medalhas em toda a história dos Mundiais de Judô.

"As cinco medalhas em Paris mostram uma homogeneidade grande na equipe. Não dependemos apenas de um atleta para chegar ao pódio, temos várias munições para acertar o alvo", diz o coordenador técnico da Confederação Brasileira de Judô, Ney Wilson.

Tiago Camilo, campeão mundial em 2007 e duas vezes medalhista em mundiais (2000 e 2008) caiu nas oitavas de final, nesta sexta. Perdeu para o ucraniano Valentyn Grekov, por wazari, depois de estar na frente por yuko a pouco mais de um minuto para o fim da luta. Ele lamenta a chance de mais um pódio. "Vim para ser campeão, mas não deu. O pior é perder com a vitória próxima, é difícil de aceitar", disse.

O Brasil tem chance de medalha com cinco atletas no último dia de disputas, neste sábado. Entram no tatame os meio-pesados Luciano Correa (17.º no ranking mundial) e Leonardo Leite (19.º), e os pesados Daniel Hernandes (10.º), Rafael Silva (13.º) e Maria Suellen Altheman (19.ª). Domingo haverá o Mundial por Equipes, com 16 times, entre eles o Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
judôMundial de Judô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.