Mayweather vence e desdenha de Pacquiao

Em final polêmico, americano ganha título dos meio-médios, ao bater Victor Ortiz, por nocaute técnico, no 4º round

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2011 | 00h00

Em um final polêmico, o norte-americano Floyd Mayweather conquistou o título mundial dos meio-médios (até 66,678 quilos), ao bater o compatriota Victor Ortiz, por nocaute técnico, no quarto assalto, na madrugada de ontem, em Las Vegas.

Mayweather dominou os três primeiros assaltos e estava melhor também no quarto, quando sofreu uma cabeçada de Ortiz. O então campeão foi se desculpar e levou dois golpes. O juiz Joe Cortez não viu irregularidade e deu vitória por nocaute técnico para Mayweather, que segue invicto, com 42 vitórias (28 nocautes). Ortiz perdeu pela terceira vez. Ele soma 29 triunfos.

Após o combate, Mayweather fez questão de desdenhar um futuro duelo com o filipino Manny Pacquiao. "Não preciso dele (Pacquiao). Onde ele estava em 1996, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2001? Eu sou Floyd Mayweather. Posso fazer US$ 70 milhões quando quiser."

Mayweather ganhou US$ 25 milhões pela vitória, enquanto Ortiz ficou com US$ 2,5 milhões. O empresário mexicano Carlos Slim, dono de um patrimônio de US$ 74 bilhões, quer organizar o confronto entre Mayweather e Pacquiao ano que vem no Estádio Azteca. Para isso, são oferecidos US$ 100 milhões para cada boxeador.

Na preliminar de Mayweather x Ortiz, Erik Morales entrou para a história como o primeiro mexicano a conquistar quatro títulos em diferentes categorias. Em um duelo sangrento, Morales venceu seu compatriota Pablo Cesar Cano, por nocaute técnico, no 10.º assalto.

Morales, de 35 anos, ex-campeão dos supergalos, penas e superpenas, ficou com o cinturão dos meio-médios-ligeiros.

Em Los Angeles, o mexicano Saul Alvarez melhora a cada luta. Ele manteve o título dos médios-ligeiros, ao nocautear Alfonso Gomez, no sexto round. Alvarez, de 21 anos, soma 38 vitórias (28 nocautes) e um empate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.