Reuters
Reuters

Medalhista olímpica turca está entre casos de doping da IAAF

Elvan Abeylegesse deve perder medalha de prata do Mundial 

Estadão Conteúdo

14 Agosto 2015 | 10h29

A corredora turca Elvan Abeylegesse pode perder suas medalhas de prata na prova dos 10 mil metros no Mundial de Atletismo de 2007 após dar positivo para esteroides em uma reanálise de suas amostras de exames antidoping.

A Federação Turca de Atletismo revelou que Abeylegesse está entre os 28 competidores cujos exames deram positivo em testes retroativos de amostras dos Mundiais de 2005 e de 2007. A entidade explicou que a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) pediu para Abeylegesse apresentar sua defesa relativa aos exames realizados em 2007, quando ela ganhou a prata no 10 mil metros em Osaka, no Japão.

A IAAF anunciou na última terça-feira que 28 atletas haviam dado positivo nas suas amostras dos Mundiais de 2005 e 2007. A associação disse que suspendeu provisoriamente os atletas, que não foram identificados.

O jornal turco Radikal publicou que Abeylegesse testou positivo para o esteroide estanozolol. "Eu nunca usei essa substância e nunca sequer pensei nisso", disse Abeylegesse. "Eu estou experimentando uma profunda desilusão e tristeza".

Ela disse que também pediu para a IAAF testar novamente amostras dos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, quando ela ganhou medalhas de prata nas provas do 5 mil e dos 10 mil metros. Se os casos de doping forem confirmados, as medalhas serão redistribuídas, disse a IAAF. Assim, caso Abeylegesse perca a sua prata de 2007, a norte-americana Kara Goucher ficaria com essa medalha.

Se Abeylegesse perder suas medalhas da Olimpíada de Pequim, a norte-americana Shalane Flanagan levaria a prata dos 10 mil metros, enquanto a etíope Meseret Defat herdaria a prata do 5 mil metros. De acordo com o jornal Zaman, a federação turca retirou Abeylegesse da seleção nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.