Média de gols de Washington já é melhor até que a de Ronaldo

O futebol também é uma grande lição de vida, de persistência e de volta por cima. No São Paulo, a prova de que vale a pena lutar vem do atacante Washington. Cotado para deixar o clube no fim do ano, ele começou 2010 com tudo, marcando gols e agora se tornou intocável no time titular de Ricardo Gomes. Ontem, em Assunção, um dia após marcar os dois gols da vitória sobre o Nacional, por 2 a 0, sentiu o sabor do assédio: tirou fotos e recebeu os cumprimentos de muitos torcedores e até de companheiros.

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2010 | 00h00

Washington está em alta no clube e os números comprovam sua importância. Em 69 jogos, já são 41 gols, média de 0,59, acima até do badalado Fenômeno Ronaldo no Corinthians, que é de 0,54 por jogo. "Sempre soube da minha capacidade", diz o atacante, artilheiro do time no ano, nove gols em 12 partidas.

Hoje herói, artilheiro e sorridente, Washington já foi ao fundo do poço no São Paulo. Ano passado, por exemplo, viu a torcida vaiá-lo e pedir sua saída. Parou no banco de reservas e quase não renova o contrato. "Esse negócio de saída do clube já faz parte do passado, vamos agora só falar de coisas boas", pede.

O começo do ano também foi de incertezas. No clube, as notícias eram de que havia enorme necessidade de um goleador. Fernandinho, destaque do Barueri, foi contratado. Mas a grande ameaça vinha do assédio sobre Fernandão, do Goiás, apontado como o nome certo para o clube. Coração Valente, como é conhecido Washington, passou por cima de todas as adversidades. Enfim, conseguiu o respeito. "Uma coisa é certa, vou decidir ainda muitos jogos na temporada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.