Médico confirma que clube espanhol acompanhou exames

Joaquim Grava revela que esteve com Neymar na clínica e no Hospital São Luiz com profissional do Real Madrid

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2011 | 03h04

Em entrevista à TV Bandeirantes, ontem, o médico do Corinthians, Joaquim Grava, confirmou os exames médicos feitos pelo atacante Neymar, do Santos, no Hospital São Luiz, em São Paulo, com a presença de Carlos Diez, médico-chefe do Real Madrid, como noticiou o estadão.com.br domingo.

Grava não admite que os exames tenham sido exclusivamente a pedido do clube espanhol, mas sim para uma seguradora contratada pela Uefa, também como noticiou a reportagem do Estado. A Uefa é a entidade responsável pelos registros de transferências de jogadores nos clubes europeus.

"Ele fez exames comigo e com uma seguradora. Esteve comigo sexta-feira, na clínica, junto com o médico do Real Madrid. O exame foi pedido por uma seguradora ligada a Uefa. Foram exames laboratoriais e todos eles acabaram às 23h. Depois ele foi para o Hospital São Luiz ", disse Grava.

Em entrevista na segunda-feira, no entanto, Neymar disse que se tratava de exames familiares e que aquilo não dizia respeito aos jornalistas, mas somente às pessoas de sua família.

A bateria de exames é uma norma da Uefa que o Real Madrid cumpriu com todos os requisitos. Por isso despachou o médico Carlos Diez ao Brasil para acompanhar o craque.

O clube espanhol conseguiu dar a volta por cima no Barcelona, que também havia feito um acordo com o Santos para levar Neymar, conforme o Estado revelou na edição do dia 4.

Para convencer o jogador e seu estafe, a não assinar com o clube catalão, o Real Madrid aumentou a sua proposta salarial e também concedeu bônus ao atleta e ao Santos.

A estratégia também teve afagos a Neymar com ligações do presidente Florentino Perez e do técnico José Mourinho. O garoto deve apresentar-se ao Real Madrid em agosto de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.