Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Médico da ginástica dos EUA já foi acusado de abuso por 265 mulheres, diz juíza

Larry Nassar está sendo julgado pela terceira vez, em Charlotte, no Michigan

Estadão Conteúdo

31 Janeiro 2018 | 16h46

Um novo julgamento do ex-médico da Federação de Ginástica dos Estados Unidos (USA Gymnastics), Larry Nassar, teve início nesta quarta-feira, e a cada dia vão aparecendo novos relatos de seus abusos. No primeiro dia de audiência em Charlotte, Michigan, a juíza Janice Cunningham informou que 265 mulheres já revelaram que foram vítimas do criminoso.

+ Médico é condenado a até 175 anos de prisão após abusar de ginastas nos EUA

+Biles agradece juíza por condenação de médico: 'Heroína'

"Nós já temos 265 vítimas identificadas e um número infinito de vítimas no estado, no país e em todo o mundo", afirmou Cunningham. "Como resultado, ao permitirem a transmissão ao vivo e a participação por Twitter, todos os indivíduos podem fazer parte deste processo."

O julgamento iniciado nesta quarta-feira é referente aos casos de abuso protagonizados pelo ex-médico em um clube de ginástica chamado Twistar, localizado na cidade de Dimondale, em Michigan. Ao longo dos próximos dias, 60 mulheres ficarão frente a frente com Larry Nassar para confrontá-lo pessoalmente e relatar os crimes cometidos por ele.

O novo processo será bastante semelhante ao realizado na semana passada, quando 158 vítimas prestaram depoimento no julgamento de Nassar referente a sete casos ocorridos também em Michigan. Na ocasião, o ex-médico foi sentenciado a um período de 40 a 175 anos de prisão.

A primeira a prestar depoimento foi Jessica Thomashow, de 17 anos, que acusou Nassar de tê-la molestado pela primeira vez quando tinha nove. "Larry Nassar é mau. Larry Nassar é um criminoso do pior tipo.", disse. "Você se aproveitou da minha inocência e da minha confiança. Era meu médico. Por que? Me pergunto o tempo todo. O que fez foi perverso. Manipulou a mim e à minha família."

Outra vítima, Annie Labrie disse sentir "calafrios" com o que Nassar lhe fez, mas foi além e acusou um esquema na base da ginástica norte-americana para que estes casos aconteçam. Ela disse que os adultos ao seu redor, na época, lhe asseguraram que a única opção era esconder o caso. "A ginástica tem uma cultura específica que permite que pessoas como ele atuem", afirmou.

Este novo julgamento de Nassar deve durar três dias e a expectativa é que adicione de 25 a 40 anos à sua sentença. O próprio Nassar admitiu em novembro ser culpado de abusar sexualmente de três garotas e já havia sido condenado em dezembro do ano passado a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil.

Mais conteúdo sobre:
Larry Nassar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.