Médico do COI depõe em casos de doping de atletas gregos

Cerca de 15 atletas gregos, incluindo Fani Halkia, campeã olímpica, do país foram eliminados do Esporte

EFE

30 de setembro de 2008 | 16h32

O diretor médico do Comitê Olímpico Internacional (COI), Patrick Schamasch, depôs nesta terça à Justiça grega sobre os recentes casos de doping de atletas do país, como parte de uma investigação judicial. Em declarações à imprensa após seu depoimento ao procurador grego Costas Simitzoglou, Schamasch declarou que está em Atenas com a intenção de ajudar a Justiça da Grécia a cumprir sua missão de investigar os casos de doping no país.Cerca de 15 atletas gregos, incluindo Fani Halkia, campeã olímpica dos 400 metros rasos nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, e 11 membros da equipe de halterofilismo do país foram eliminados dos Jogos de Pequim dias antes da abertura da competição, em agosto.Os exames destes atletas deram positivo para a substância methyltrienolona (M3) em testes realizados pelo serviço de antidoping grego e pela Agência Mundial Antidoping (AMA). O COI abriu processo judicial contra o treinador de Halkia, Giorgos Panagiotopulos, e ainda faltam os testemunhos da atleta, do acusado e do velocista Tasos Gousis, que também deu positivo para a M3 dias antes dos Jogos de Pequim.

Tudo o que sabemos sobre:
COIdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.