Médico Lidio Toledo morre no Rio

Morreu ontem pela manhã no Rio, aos 78 anos, o ex-médico da seleção brasileira Lidio Toledo. Ele foi internado no Hospital Samaritano, na zona sul da cidade, anteontem à noite com um quadro infeccioso agudo e não resistiu, informou a assessoria de imprensa da instituição. O ortopedista também tinha problemas cardíacos e sofria de insuficiência renal.

Glauber Gonçalves, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2011 | 00h00

Toledo foi o médico que acompanhou a seleção tetracampeã em 1994, nos Estados Unidos, e o grupo que em 1998 perdeu a Copa para os anfitriões, na França.

Um dos momentos mais tensos da carreira profissional do médico foi a convulsão de Ronaldo na véspera da final do Mundial de 1998, diante da França. O médico foi responsável por liberar a presença do atacante na decisão na qual o Brasil foi derrotado pelos rivais, comandados por Zinedine Zidane. O médico também trabalhou por muitos anos no Botafogo.

Nos últimos anos, Lidio enfrentou o desafio de dar assistência ao filho, Lidio Toledo de Araújo Filho. O também médico foi baleado na noite do dia 1º de janeiro de 2008, aos 35 anos - juntamente com sua esposa Maria Silene Trajano - e ficou paraplégico. Na ocasião, Toledo apelou às autoridades para a aprovação de leis mais duras contra atos de violência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.