Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Medina e Mineirinho brilham e continuam na briga pelo Mundial

Australiano Mick Fanning também segue firme na etapa de Pipeline

Paulo Favero, enviado especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

16 de dezembro de 2015 | 22h38

Gabriel Medina e Adriano de Souza, o Mineirinho, colocaram fogo na disputa do título mundial de surfe. Com show em suas duas baterias do dia no Billabong Pipe Masters, eles chegaram às quartas de final da competição, que está sendo disputada no Havaí, e vão tentar estragar a festa de Mick Fanning, que também está nas quartas e vivo na disputa.

A praia em Pipeline estava lotada para ver os tubos em ondas de quase quatro metros e um show  de surfe. Medina, Fanning e Mineirinho brilharam e vão brigar até o fim. Se para Medina só o título interessa, com os rivais caindo nas quartas de final, para Mineirinho a taça será conquistada se ele ficar uma fase à frente de Fanning. Ou seja, se ele for para a semifinal e o australiano cair, o brasileiro conquistará seu primeiro título. Se Fanning ou Mineirinho avançarem para a semifinal, o atual campeão do mundo sai do páreo. Entre os brasileiros, a maior baixa foi Filipe Toledo, eliminado na terceira fase.

"Estou super feliz de passar minhas baterias. Agora tenho de me concentrar para a sequência da competição. O mar deve diminuir um pouco, mas ainda teremos boas ondas. A inteção é chegar na final e quanto antes eles perderem, melhor para mim. Sei que eles podem chegar só até o quinto lugar e eu vou precisar ganhar. Espero que dê tudo certo", avisou Medina.

Filipinho poderia se tornar o campeão de surfe mais jovem da história, mas acabou perdendo para Mason Ho, sobrinho do famoso havaiano Derek Ho, na terceira fase do Billabong Pipe Masters, e avisou que agora ficará na torcida pelos brasileiros que ainda estão na disputa com Mick Fanning.

"Vou torcer até mais para o Mineirinho, porque ele está na briga há dez anos e merece muito. Mas também torço pelo Gabriel", afirmou, sobre o atual campeão do mundo. Apesar de triste e abalado pela eliminação, ele evitou reclamações, mas seu pai, o ex-surfista Ricardinho Toledo, chiou bastante. "Todo mundo viu que ele foi garfado", disse.

Ele teve uma atuação discreta na terceira fase, acabou perdendo para Mason Ho por 6,93 a 6,67 e se despediu do torneio. "Foi o melhor ano da minha carreira. Briguei pelo título, tive minha chance, mas não aconteceu este ano ainda. De qualquer forma, acho que estou mais forte a partir de agora. Estou muito feliz de ter chegado aqui no Havaí com a chance de brigar pelo título", comentou Filipinho.

Fanning, por sua vez, brilhou em Pipeline. Ele entrou na disputa de sua bateria após saber da morte do irmão mais velho, divulgada pela revista Surfing Magazine. O atleta mostrou abatimento, mas se manteve na briga pelo título após vencer bateria disputada contra Kelly Slater e John John Florence e ir direto para a próxima fase.

Já o surfista Bede Durbidge sofreu um sério acidente em sua primeira onda na segunda bateria da terceira fase do Pipe Masters, caiu e bateu na bancada de pedra quando foi arremessado pela onda. Ele foi resgatado pelo jet-ski, tirado de maca da praia e levado de ambulância para um hospital em Honolulu, onde foi constatada fratura de bacia. Ele teve de passar por cirurgia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.