WSL
WSL

Medina perde para convidado e é eliminado em etapa australiana

Brasileiro encontra apenas uma boa onda e amarga o 25º lugar

O Estado de S. Paulo

15 de abril de 2015 | 21h58

A fase não está boa para Gabriel Medina. Nesta quarta-feira à noite (quinta de manhã na Austrália), o campeão do mundo foi eliminado do Drug Aware Margaret River Pro, etapa do Circuito Mundial, na segunda fase, ao perder para o local Jay Davies por 15,17 a 7,67 pontos. O garoto de Maresias encontrou apenas uma boa onda, enquanto o rival pegou dois bons tubos e avançou para a próxima fase. Outra baixa foi Filipinho Toledo, que caiu diante de Ricardo Christie por 13,26 a 13,07 e sairá da liderança do ranking mundial.

Com isso, os dois terminam a competição na 25ª posição, que garante apenas 500 pontos no ranking mundial. A situação pior é de Medina. Após três etapas disputadas, ele tem 7.450 pontos e deve despencar no ranking ao final da etapa no oeste da Austrália. Mas a situação não é preocupante porque existe o descarte de dois resultados e essa 25ª posição pode ser eliminada ao final do Circuito Mundial de Surfe.

O resultado foi bastante comemorado pelo surfista local, que não imaginava que poderia eliminar o campeão do mundo. Mas ele conhece bem as ondas de Margaret River e teve um desempenho melhor nos grandes tubos. "Não podia estar mais feliz. Sinto pelo Gabriel, que está brigando pelo título, mas tenho de comemorar porque venci um dos meus ídolos em uma das melhores ondas do mundo. Essa é minha primeira competição na elite do Circuito Mundial de Surfe e fico emocionado em vencer o atual campeão. Espero seguir em frente", afirmou Jay Davies.

Antes, Medina já havia ficado em 13º, na etapa de abertura, mas foi prejudicado ao ser punido por uma interferência. Isso tirou o brasileiro das quartas de final em decisão polêmica dos juízes. Na etapa seguinte ele ficou em quinto lugar. Vale lembrar que os três primeiros eventos da temporada são mais fáceis para surfistas que surfam com o pé esquerdo na frente, pois as ondas quebram para a direita e o atleta não fica de costas para a onda. Para Medina, as etapas em Fiji e Taiti, por exemplo, serão melhores, pois as ondas quebram para a esquerda.

Já Adriano de Souza, o Mineirinho, terceiro no ranking mundial, confirmou a boa fase e avançou ao superar seu conterrâneo Alejo Muniz, convidado pela organização, por 13,90 a 11,33 pontos. Agora ele aguarda a definição de seu adversário na terceira fase, que sairá após o complemente das 12 baterias da repescagem. "Tentei ficar o mais fundo que podia no tubo e consegui uma boa nota. Estou bastante feliz em avançar", afirmou Mineirinho.

Tudo o que sabemos sobre:
surfeCircuito MundialGabriel Medina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.