Melo desiste de torneios para estar em forma na China

O parceiro de André Sá nas duplas de tênis se recupera de lesão

Chiquinho Leite Moreira, O Estadao de S.Paulo

23 de julho de 2008 | 00h00

Uma lesão na coxa esquerda, durante o Torneio de Wimbledon, obrigou o tenista Marcelo Melo - que forma a dupla olímpica brasileira com André Sá - a mudar seus planos de preparação para os Jogos de Pequim. O problema não abalou a confiança em boa campanha ou até mesmo na conquista de uma medalha. Mas, para garantir completa recuperação, ele não disputa nenhum dos torneios que antecedem os Jogos. Fez até seu parceiro, André Sá, jogar esta semana no Masters Series de Toronto ao lado do chileno Fernando Gonzalez."A lesão já está praticamente zerada", disse o mineiro, que passou o dia em São Paulo e está animado com o programa de recuperação a que se submete. "Na próxima semana já volto a treinar em Belo Horizonte", avisou. "Mas realmente preferi não disputar nenhum outro torneio para garantir minha presença em Pequim."Marcelo Melo sofreu a lesão num jogo de duplas mistas (ao lado da francesa Alize Cornet) em Wimbledon. Por isso, não pôde sequer entrar em quadra para as oitavas-de-final de duplas ao lado de André Sá. Mesmo sem condições de buscar melhor participação no Grand Slam inglês, os brasileiros formam uma das dez melhores duplas da temporada. Em Pequim, Melo e Sá poderão ter pela frente grandes nomes do tênis, como o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal, que também irão disputar a chave de duplas. Melo afirma, porém, que os principais rivais serão os especialistas na modalidade, os irmãos norte-americanos Bob e Mike Bryan e os israelenses Jonathan Elrich e Andy Ram, nomes desconhecidos nas simples, mas fortes em duplas.SONHO DOURADODono de 12 títulos de Grand Slam, Roger Federer deu início a sua preparação para os Jogos nesta semana, no Masters de Toronto. O suíço surpreendeu ao garantir que sua prioridade na temporada é o ouro olímpico. "Se jamais tivesse ganho um torneio do Grand Slam, poderia pensar diferente", explicou o campeão. "Quero muito o ouro na Olimpíada."Esta será a terceira participação de Federer em Olimpíadas, um evento ao qual jamais deu muita importância. Em Atenas, por exemplo, caiu na segunda rodada. Mas agora pensa de forma diferente e até se candidatou a ser o porta-bandeira da Suíça. "Carreguei a bandeira em Atenas, por que não poderia fazer o mesmo agora? Afinal, a data de abertura dos Jogos, 8 de agosto, coincide com o meu aniversário."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.