Meninas do futebol levam ouro com exibição de gala e goleada

Com as meninas de ouro dofutebol brasileiro não tem Maracanazo. Uma goleada de cincogols contra a seleção dos Estados Unidos cumpriu a missão dofutebol feminino no Pan. Foi 5 x 0, fora o baile de Marta e ciae um pênalti perdido. Em plena manhã gelada de quinta-feira, o Maracanã lotadoviveu uma festa. Festa de gols, dribles e de uma torcida que,apesar de submetida aos berros dos animadores profissionais,sabia que estava em casa. Sabia que o "Maraca é nosso". Dessa vez as norte-americanas sucumbiram ao talento deMarta. A melhor jogadora do mundo, diante do maior público dahistória do futebol feminino no Brasil, liderou a seleçãobrasileira ao bicampeonato dos Jogos Pan-Americanos, repetindoo título de Santo Domingo-2003. A vitória na final sobre o maior rival brasileiro namodalidade, com quase 70 mil torcedores no Maracanã, era oobjetivo declarado das brasileiras desde o princípio. Apesar deos Estados Unidos terem vindo para o Rio com sua seleçãosub-20, o jogo era encarado como revanche da derrota naOlimpíada de Atenas, em 2004, quando as americanas conquistaramo ouro em cima do Brasil. A goleada resumiu no placar o passeio da seleçãobrasileira. Os dribles desconcertantes foram inúmeros, em todasas partes do campo. Um lençol de Marta próximo ao círculocentral logo no início do jogo era o indício de que as jovensamericanas teriam um dia difícil. Já no intervalo, quandoestava 2 x 0, ouviu-se gritos de "campeão" das arquibancadas. Minutos antes de se tornar a primeira mulher a ter os péscravados na calçada da fama do estádio símbolo do futebolbrasileiro, Marta desequilibrou. Ela ditou o ritmo da partida emarcou de pênalti o primeiro e o último gol do ouro em casa. Depois de ter perdido uma chance que não costumadesperdiçar, de frente para o gol, Marta marcou seu 11o gol nosJogos de onde Romário queria ter feito o milésimo de suacarreira. O pênalti foi marcado quando a lateral-esquerdaRosana sofreu falta após drible em O''Hara.A atacante Cristiane fez o segundo também numa jogada de bolaparada. Daniela Alves cobrou escanteio, Elaine escorou para omeio da área, e a número 11 empurrou de cabeça para as redes. O terceiro saiu logo no início do segundo tempo. Marta deumais um lençol e deixou Cristiane em ótima posição para marcar.Bastou limpar a zagueira e tocar com calma para as redes. O quinto gol, depois de Marta ter feito o quarto depênalti, foi de Daniela Alves, em mais uma jogada iniciada pelacamisa 10 da seleção. No intervalo da partida, uma cena inusitada. O"beijoqueiro" ressuscitou. O folclórico personagem cariocafurou a proteção da Força Nacional de Segurança e invadiu ogramado para beijar as brasileiras. Quando um agente dasegurança chegou para impedi-lo, as jogadoras protegeram obeijoqueiro, que deixou o gramado beijando até os policiais. A medalha de bronze do futebol feminino foi para o Canadá,adversário contra quem Marta teve uma estréia avassaladora doMaracanã, fez cinco gols na goleada de 7 x 0, nasquartas-de-final. As canadenses venceram o México por 2 x 1 nadisputa do terceiro lugar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.