Meninas enfrentam teste mais difícil da primeira fase

Seleção brasileira vai encarar o forte time dos Estados Unidos, o maior favorito ao ouro, segundo o técnico Zé Roberto

PAULO FAVERO , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h03

O técnico José Roberto Guimarães não cansa de falar que a seleção dos Estados Unidos é a mais forte do momento. E o Brasil enfrenta hoje às 12h45 as atuais campeãs do Grand Prix, que vêm sendo a pedra no sapato da seleção.

A partida servirá para mostrar se os treinamentos em Saquarema, na preparação olímpica, serviram para a equipe. "Acho que a gente ter treinado com um time masculino foi bom para enfrentar atacantes como a Hooker, que sobe muito alto", explica Jaqueline. "Espero que tenha servido de ponto positivo e que a gente consiga colocar em prática tudo aquilo", completa.

As duas seleções fizeram a final olímpica quatro anos atrás. Agora, a partida vale pela fase de classificação e é bem provável que ambas passem para a próxima fase, independentemente do resultado de hoje.

Brasileiras e americanas podem até se encontrar em outra eventual final olímpica. Mas o grupo brasileiro já ouviu do treinador que não existe mistério para a partida e que o Brasil não esconderá o jogo.

"Já foi passado para a gente que não temos nada a esconder. Vamos jogar com seriedade e cada partida é como se fosse uma final", garantiu a levantadora Fernandinha.

Horário complicado. Zé Roberto ficou bastante incomodado com o horário da partida anterior da seleção, contra a Turquia. Com previsão para começar as 22h de Londres, começou com meia hora de atraso, teve cinco longos sets e a delegação brasileira só conseguiu sair do ginásio Earls Court de madrugada, próximo das 2h.

"Ainda vamos ter de chegar na Vila Olímpica, jantar... Até dormir será mais de 4h", reclamou o treinador logo após a partida de estreia da seleção. Zé Roberto sabe que um bom descanso para as meninas é fundamental para enfrentar o adversário mais forte do momento.

Ele não indicou se fará alguma alteração na equipe que venceu a Turquia por 3 a 2, mas reconheceu que a entrada de Fernanda Garay deu um novo ânimo ao time. A jogadora, por sua vez, aguarda uma chance e só pensa em contribuir.

"Aqui na seleção nós temos 12 titulares. Um dia vai precisar da energia de uma; outro dia, da paciência da outra. Acho que estou preparada para as duas coisas, começar jogando ou na reserva", garantiu Fernanda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.