Meninos do Brasil garantem o penta

Vitória por 3 a 2 sobre Portugal, na prorrogação, leva garotada a igualar o número de conquistas da seleção principal

, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2011 | 00h00

O Brasil é pentacampeão mundial Sub-20. Conquistou o título ontem à noite, em Bogotá, na Colômbia, ao bater Portugal por 3 a 2, na prorrogação, após empate por 2 gols no tempo normal. O herói do quinto título brasileiro foi o meia Oscar, do Internacional. Foi dele os três gols da seleção na final.

O time nacional havia conquistado a competição nas edições 1983, 1985, 1993 e 2003.

E, como toda competição de categorias de base é revelar talentos, o troféu não poderia ser obtido de maneira mais adequada senão com uma grande atuação de um dos garotos.

O trabalho no torneio é considerado pelo estafe como uma extensão do trabalho de renovação que a CBF encomendou a Mano Menezes. O técnico da Sub-20, Ney Franco, foi indicado pelo treinador da principal.

O nervosismo típico das decisões estava no rosto dos 22 jogadores perfilados para os hinos nacionais de Brasil e Portugal, O protocolo, que incluiu o aperto de mão, um a um dos finalistas, aos presidentes da Colômbia, da Fifa, da CBF e da Federação Portuguesa, só aumentou a ansiedade dos jogadores.

Bola rolando e rapidamente a ansiedade deu lugar à euforia. No primeiro lance, em que Oscar cruzou na área, a bola desviou no português Sérgio e morreu no fundo do gol de Portugal, a seleção brasileira celebrou. Afinal, havia acabado de fazer o que outros seis times não tinham conseguido: guardar uma bola na meta do goleiro Mika.

Mas, num descuido de marcação, Alex apareceu no meio da área para empatar, apenas cinco minutos depois do gol brasileiro e logo na primeira chance de Portugal na partida.

Depois disso, portugueses e brasileiros trocaram o nervosismo pelos erros. E, num erro da zaga e do goleiro Gabriel foi que Nelson Oliveira virou para Portugal: 2 a 1. O Brasil, porém, conseguiu chegar ao gol. Dudu fez grande jogada e passou para Oscar empatar.

O resultado levou o jogo para a prorrogação, quando Oscar decidiu sem querer. Ele tentou cruzar, mas acertou o gol e encobriu Mika. Melhor para ele. Melhor ainda para a seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.