Mercado agitado

Boleiros

Neto, jfneto@estadao.com.br, O Estadao de S.Paulo

22 de dezembro de 2008 | 00h00

Amigos leitores, pode até não parecer, mas o mercado do futebol brasileiro está repercutindo o mundo todo. Estive na última semana com meus filhos na Disney, em Orlando, nos Estados Unidos, e muita gente me parou na rua pra perguntar sobre a contratação do Ronaldo pelo Corinthians, dos reforços do hexacampeão São Paulo e a demora do Palmeiras em trazer reforços. Por falar nisso, a diretoria alviverde só pode estar de brincadeira, né? Primeiro desmontou quase por completo o time titular do começo do ano. Aquele que tirou o Verdão da fila conquistando o título Paulista. Deu até o artilheiro Alex Mineiro de mão beijada para o Grêmio. E o pior é que as informações preliminares que tinha davam conta de que o clube iria contratar de 3 a 4 jogadores de nível de seleção e que o objetivo era entrar forte na conquista do bi da Libertadores. Mas cadê tudo isso? Onde estão os reforços? Pode até ser que queime minha língua, mas que o clube está trabalhando a passos de tartaruga, isso está. * * * * * Ainda falando do Palmeiras, os veteranos Roque Júnior e Denílson têm de repensar o que querem de suas carreiras. Depois de brilharem na conquista do penta com a seleção, pouco fizeram. Se os dois não têm mais motivação, é melhor pendurarem as chuteiras. Quando parei de jogar na Venezuela, por exemplo, tinha 32 anos. Um dia cheguei ao treino, literalmente peguei minhas chuteiras, minha esposa e voltei para o Brasil. Nem dei satisfações. Não agüentava mais aquela vida. E olha que não tinha nem 2% da grana desses caras, hein?* * * * * Há algumas colunas deixei claro que não agüentava mais elogiar tanto o São Paulo. Valorizar tudo o que foi feito na campanha do sexto título brasileiro. Mas, pelo visto, o Tricolor promete melhorar em 2009. Ao contrário do Palmeiras, os são-paulinos têm feito um bom trabalho de bastidores para suprir as poucas deficiências da equipe. Vieram os bons laterais Vágner Diniz e Junior Cesar; o zagueiro Renato Silva; e o artilheiro Washington. E ainda pode acertar com o voluntarioso volante Arouca, do Fluminense. Aí segura o esquadrão Tricolor! Vão conseguir melhorar o que já está muito bom. * * * * *Quanto ao Corinthians, o setor que mais está evoluindo é mesmo o de marketing. A contratação do fenômeno Ronaldo acabou forçando essa situação. Na teoria tudo é muito bonito, principalmente essa coisa de usar a camisa 99 no mês de aniversário do clube. Agora, quando o atacante entrar em campo vai ser cobrado como o astro que foi durante os últimos 15 anos. A torcida não vai poupá-lo. Ao menos algumas fontes me disseram que ele está extremamente motivado para voltar a jogar bola. Particularmente não tenho nenhuma simpatia pelo Ronaldo. Acho até ele mascarado. Mas, se fizer metade do que fez nos últimos clubes, já vai virar ídolo do Timão. * * * * *O que a diretoria corintiana tem de começar a refletir é sobre o aproveitamento dos meninos das categorias de base. O Corinthians sempre foi um grande revelador de talentos. Temos uma lista enorme que incluem os nomes de Rivellino, Wladimir, Viola, Zé Elias, Ronaldo e Dinei. E, até pela má fase após o rebaixamento de 2007, pouca gente foi aproveitada nesta temporada. Só para se ter uma idéia, na Série B, do time titular, só o Dentinho foi formado no "terrão". Convenhamos que é muito pouco, né? O Andrés, o Mário Gobbi e o próprio Mano Menezes têm de prestar mais atenção nisso. COLABOROU RENATO NALESSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.