Alê Cabral/CPB
Alê Cabral/CPB

Mesatenista do Parapan se acidentou horas antes da 1ª convocação para seleção de futebol

Cátia Oliveira sofreu acidente de carro e ficou tetraplégica às 11h de um amanhã e, no mesmo dia, foi chamada para defender o Brasil às 17h

João Prata, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2019 | 04h30

O tênis de mesa abre os Jogos Parapan-Americanos de Lima nesta quinta-feira, a partir das 12h (de Brasília), um dia antes da Cerimônia de Abertura da competição. O Time Brasil será representado por 30 atletas em uma das modalidades que tem maior potencial de medalhas para o País. Curiosamente, dois dos representantes brasileiros foram jogadores de futebol antes de se acidentarem e escolherem o tênis de mesa para jogar.

Cátia Oliveira atuou profissionalmente pelo Botucatu, do Interior de São Paulo. Em outubro de 2007, no dia em que foi convocada pela primeira vez para defender a seleção brasileira, ela sofreu um acidente de carro. Ela dormia no banco traseiro sem cinto de segurança. Com o impacto da batida, teve lesão medular cervical e ficou tetraplégica. Lembra como se fosse hoje.

"Foi bem difícil. Meu sonho era ser jogadora profissional. Sofri o acidente às 11h e às 17h saiu a convocação com meu nome na seleção. Foi bem difícil encarar isso tudo e fazer a reabilitação. No começo, só conseguia mexer o olho. Mas agora estou bem melhor", disse em entrevista ao Estado.

Ela conheceu o tênis de mesa por causa de uma amiga, em 2008. Desde então, passou a praticar e conquistar grandes resultados. Cátia compete na classe 2 (de cadeirantes) e vai em busca do bi no Parapan de Lima. Ela foi ouro no individual e prata por equipes em Toronto-2015. No Mundial da Eslovênia do ano passado, terminou com a prata também.

"A expectativa agora é muito boa. Venho treinando forte porque a conquista do ouro garante também uma vaga nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020. Espero sair daqui bicampeã", comentou. 

REI DOS PARAPANS

Iranildo Espíndola também foi jogador de futebol. Em março de 1995 ele brincava no mar, deu um mergulho, bateu com a cabeça em um banco de areia e perdeu a mobilidade das pernas. Por recomendação do fisioterapeuta e influenciado pela família, passou a treinar tênis de mesa e a competir desde 1998. "Joguei bola nas categorias de base de clubes do interior de Goiás. Tinha perspectiva de subir para o profissional, mas, infelizmente, o acidente me impossibilitou", contou ao Estado.

"O processo foi muito longo e doloroso. Tive lesão severa, passei por muitas e muitas sessões no hospital, cirurgias, um processo longo de fisioterapia. Os fisioterapeutas sabiam que tinha facilidade para praticar esporte e foi onde tive essa reabilitação. Recuperei parte das sequelas que adquiri no acidente", comentou.

Iranildo disputará seu quinto Parapan. Não é pouco. Ele tem cinco medalhas de ouro no individual. Sou o maior ganhador do tênis de mesa. Chego com essa experiência, mas tenho de colocar em prática na competição. Quero também me classificar para a quinta Paralimpíada. Se puder colocar 'Rei dos Parapans' na matéria seria interessante", pediu. 

No Parapan de Toronto-2015 foram 31 medalhas conquistadas pelo País no tênis de mesa, sendo 15 de ouro. Dez conquistas individuais renderam vagas nos Jogos do Rio-2016. O tênis de mesa será o único esporte a começar antes da Cerimônia de Abertura, marcada para sexta-feira, às 20h (de Brasília), no Estádio Nacional do Peru, na capital peruana.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.