Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Messi comanda boa fase da Argentina nas Eliminatórias da Copa

Com o craque brilhando, seleção navega em águas tranquilas na competição

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2013 | 02h06

BUENOS AIRES - Nas Eliminatórias para a Copa do Mundo da África do Sul, a Argentina sofreu até a última rodada para não ter de encarar a repescagem contra um time da Concacaf. Desta vez, no entanto, as coisas estão bem diferentes. O time argentino tem jogado bem e vive uma situação bastante confortável: é líder do torneio com oito pontos de vantagem para o quinto colocado (equipe que vai para a repescagem).

A explicação para o bom momento da Argentina tem nome e sobrenome: Lionel Messi. O melhor jogador do mundo finalmente está mostrando na seleção de seu país o mesmo futebol deslumbrante que exibe no Barcelona. O que não deixa de ser uma vitória pessoal do técnico Alejandro Sabella, que quando assumiu o comando da equipe, em agosto de 2011, deixou claro que sua prioridade era montar um esquema tático que permitisse a Messi jogar como mais gosta.

As duas últimas vitórias da Argentina, sobre Uruguai e Chile, foram conquistadas graças a Messi, que brilhou intensamente. Ao redor do astro, trabalham jogadores de alta categoria, como Agüero, Higuaín e Di María. Todos eles têm a missão de ajudar Messi, mas também são capazes de brilhar por conta própria. Tome-se por exemplo Higuaín: apesar de ser um coadjuvante de Messi, ele divide com o companheiro (e com o uruguaio Luis Suárez) a artilharia da competição, com sete gols.

Se a Argentina atual vai muito melhor do que aquela que penou para se classificar para o Mundial sul-africano, o Uruguai continua na mesma. Apesar dos gols de Suárez, o atual campeão da Copa América ocupa apenas a quinta colocação. Foi justamente por ter sido o quinto nas Eliminatórias passadas que o Uruguai teve de superar a Costa Rica para ir à África do Sul.

O desempenho do Uruguai em suas últimas quatro partidas foi horroroso: três derrotas e um empate, com a desagradável marca de 14 gols sofridos e apenas dois marcados.

TRIO SURPREENDENTE

O cenário atual do torneio classificatório para o Mundial do Brasil é bem diferente da edição anterior. Entre os quatro primeiros colocados, aparecem três seleções que não foram à última Copa: Equador, Colômbia e Venezuela. Os equatorianos estão aproveitando muito bem o fator casa (venceram todos os jogos disputados no Equador), enquanto os colombianos desfrutam de uma geração excelente, encabeçada pelo goleador Falcao García.

Os venezuelanos, por sua vez, finalmente começam a dar demonstrações de força, mas são absolutamente imprevisíveis. É um time capaz de obter vitórias históricas, como a que conquistou sobre a Argentina, mas também pode perder até para as equipes mais fracas.

As grandes decepções das Eliminatórias são o Paraguai, que ocupa a lanterna da competição, e o Chile, que está fora do grupo dos quatro primeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.