Mestre de caratê do Brasil, Kodama é premiado no Japão

Ele foi condecorado por seu trabalho social e de intercâmbio entre as comunidades brasileira e japonesa

EFE,

19 Julho 2009 | 10h43

O mestre de caratê Tetsuyoshi Kodama, condecorado por seu trabalho social e de intercâmbio entre as comunidades brasileira e japonesa, comemorou neste domingo com as autoridades de Shizuoka, sul do Japão, o prêmio recebido, do qual disse sentir "muito orgulho".

O professor, nascido de pais japoneses no Brasil em 1965, está há 18 anos e meio no Japão, onde seu trabalho tem um grande impacto social, pois serve como método de prevenção e redução das atividades criminosas entre os imigrantes.

"Aprender caratê é uma maneira de não estar na rua e diminui o risco de cair na delinquência", declarou o professor de 44 anos.

Kodama recebeu no dia 10 de junho o prêmio por sua contribuição, mas comemorou neste domingo a ocasião com as autoridades locais de Shizuoka, sul do Japão, onde fica sua academia de caratê e kickboxing, e o ministro de Educação japonês, Ryu Shionoya.

"Quando fiquei sabendo que receberia a condecoração, levei um susto no começo, mas a verdade é que estou muito emocionado", disse o brasileiro descendente de japoneses, nikkei, como são conhecidos no Japão. "É algo muito importante, porque é a primeira vez que concedem um prêmio assim a um professor de caratê".

Aos 27 anos, ele abriu sua primeira academia no Japão em um ginásio esportivo de Hamamatsu, sul do país, e, posteriormente, em janeiro de 2005, fundou a Academia Kodama Dojo, de onde se transformou em um ícone do caratê no Japão.

Kodama, que divide seus trabalhos de professor com a Presidência da Associação Mundial de Caratê em Sizuoka, ganhou campeonatos ao longo de sua carreira.

Ele já venceu o Torneio Shidokan no Brasil, foi vice-campeão brasileiro de kumitê, ficou em terceiro lugar no Torneio Nacional de caratê do Japão e foi campeão nacional de kata em seu país de amparada, entre outros títulos.

Além de dar aulas e organizar torneios, Kodama dirige desde o ano passado a Aliança de Intercâmbio Brasil-Japão, uma entidade que tem como objetivo fortalecer os laços entre a comunidade brasileira e a japonesa, através de atividades culturais, educativas e esportivas.

Mais conteúdo sobre:
caratêTetsuyoshi Kodama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.