Michael Phelps volta ao cenário internacional no Pan-Pacífico

Americano disputará seu primeiro grande torneio depois de retornar da aposentadoria. A estreia é na quinta à noite, nos 100 m livre

O Estado de S. Paulo

20 de agosto de 2014 | 17h06

Michael Phelps está de volta a uma competição internacional, a primeira desde a Olimpíada de Londres, em 2012. O americano, que disputou o Campeonato Nacional na semana passada e não conseguiu nenhuma vitória, está confirmado no Pan-Pacífico, que começa na noite desta quarta-feira em Gold Coast, na Austrália.

Phelps estava inicialmente inscrito para cinco provas, mas já desistiu de duas (100 m costas e 200 m livre), que serão disputadas justamente no dia de abertura da competição. Assim, fará sua estreia nos 100 metros livre, na quinta-feira (as eliminatórias começam às 21 horas, de Brasília, e as finais serão a partir das 6 horas do dia seguinte). Na sexta, ele compete nos 100 metros borboleta, prova em que lidera o ranking mundial (51s17), e, no sábado à noite, disputa os 200 metros medley. 

De acordo com o técnico de Phelps, Bob Bowman, a disputa do Pan-Pacífico é o "passo dois" de seu retorno à natação - o primeiro foi conseguir se qualificar à seleção americana, o que ocorreu no Nacional disputado em Irvine, na semana passada. Assim, o nadador está apto a disputar o Mundial do ano que vem, na China, e entrar na briga pela classificação aos Jogos Olímpicos do Rio.

No Pan-Pacífico, torneio que reúne nadadores de EUA, Austrália, Japão, Canadá, Brasil e mais dez países, o desafio de Phelps é alcançar as finais. Apenas os dois melhores de cada nação pode entrar na disputa por medalhas. Nos 100 metros livre, por exemplo, estão inscritos sete nadadores americanos.

Por isso, Phelps prefere controlar a expectativa. Ao ser questionado sobre o número de finais que alcançaria, brincou: "Nossa, acho que vocês estão esperando muito de mim". Bowman diz que o objetivo de seu pupilo é melhorar suas marcas da temporada.

O nadador está especialmente descontente com o estilo livre e com as viradas, que acabaram comprometendo sua atuação no Nacional. "Tenho trabalhado em coisas básicas e que, espero, tragam uma grande melhora", afirmou. "No Nacional, eu errei muito, cometi erros de quando eu tinha 11 ou 12 anos."

Apesar de toda a carreira vitoriosa, Phelps diz que os erros são um sinal de que está "enferrujado". "Provavelmente, é porque não nadei muito no último ano. Eu odeio perder, mas sei que não vou voltar de uma hora para outra. Mas é melhor errar agora do que na preparação para o Mundial (em 2015) e a Olimpíada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.