Milan e Kaká começam vida nova

Em Bolonha, astro e clube espantam ameaça de transferência e centram atenção no duelo com time local

, O Estadao de S.Paulo

25 de janeiro de 2009 | 00h00

Kaká está no Milan desde junho de 2003, mas pode festejar a reestreia hoje em Bolonha, numa das regiões mais bonitas da Itália. Depois de dias de incertezas e negociações, o astro brasileiro rechaçou proposta do Manchester City, reafirmou amor ao clube milanês e se transforma em ponto de referência para a briga pelo título do calcio, que há três anos vai para a rival Internazionale. O desafio inicial será contra o Bologna, 19 pontos, próximo da zona de rebaixamento. "Este reinício do time, com o fim do caso Kaká, nos entusiasma", afirmou Carlo Ancelotti. "Temos motivação extra". O treinador aposta que a permanência do craque será decisiva na arrancada da equipe a partir de hoje, na largada do segundo turno da temporada de 2008-09. O Milan entra na segunda metade da competição com 37 pontos e em terceiro lugar, contra os 43 pontos da Inter.O astral mudou em Milanello, o centro de treinamento do Milan. Uma semana atrás, o ambiente era de apreensão. Os xeques árabes que comandam o Manchester estavam com o cheque de 100 milhões de libras (R$ 340 milhões) pronto para depositar na conta que os italianos indicassem. Os sinais de adeus eram inúmeros: a cúpula do Milan havia liberado Kaká para negociar com seus futuros patrões e os jogadores praticamente se despediram do companheiro após o 1 a 0 contra a Fiorentina, sábado passado. Todos foram cumprimentá-lo, enquanto milhares de torcedores pediam, em coro e com cartazes, para que não os abandonasse. "Estamos muito felizes", disse Paolo Maldini, capitão do Milan. "Descontamos mais três pontos em relação à Inter e confirmamos a permanência de Kaká", enumerou o mais fiel jogador do clube, desde 1984 no elenco. "Não há jogador que se compare a ele, pela dedicação em campo e porque pode tornar-se um símbolo do Milan."O clube ignora solenemente o Real Madrid, que ensaia fazer nova investida, como ocorreu em agosto de 2008. Os espanhóis ficaram atiçados com declarações que Kaká deu ao jornal AS, de Madri, de que via como uma honra jogar no Real. "Não vejo razão alguma para que mude algo em relação ao que dissemos no ano passado", afirmou Silvio Berlusconi, dono do Milan e primeiro-ministro da Itália. "Tenho orgulho do Milan, pois acho de verdade que é a única equipe do mundo em que pode acontecer algo como vimos agora com Kaká."O entusiasmo do Milan se reflete na torcida rossonera. Há expectativa de "invasão" de Bolonha, a 200 quilômetros de Milão. A polícia teme problemas. Não há mais ingressos disponíveis para o Estádio Dal?Ara. Mais do que nunca, todos querem ver Kaká, a estrela-guia do time. RODADAA Juventus derrotou ontem a Fiorentina por 1 a 0 e assumiu provisoriamente a liderança com 43 pontos, mesma pontuação da Inter, que pega hoje a Sampdoria (20 pontos). Também ontem, o lanterna Reggina perdeu para o Chievo por 1 a 0. A primeira rodada do returno segue hoje com mais seis jogos: Genoa x Catania, Lazio x Cagliari, Lecce x Torino, Napoli x Roma, Palermo x Udinese e Siena x Atalanta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.