Milan tenta recuperar a autoestima

Longe da briga pelo título, time recebe a líder Juventus no San Siro - onde já perdeu 4 jogos na competição

O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2012 | 02h08

Milan e Juventus brigaram pelo título italiano até a penúltima rodada, quando a equipe de Turim garantiu a conquista. Hoje, seis meses depois, se enfrentam em Milão em situação bem diferente. A Juve lidera o campeonato com quatro pontos de vantagem sobre a Inter, e o Milan ocupa uma distante 12ª posição com 17 pontos a menos (32 a 15).

A saída dos dois principais jogadores do elenco - Thiago Silva e Ibrahimovic, vendidos para o Paris Saint-Germain - e também as de veteranos como Gattuso, Seedorf e Nesta fizeram o Milan despencar. A situação só não é pior porque o garoto El Shaarawy, de 20 anos, vem salvando o time em algumas partidas com gols decisivos. Na rodada passada, por exemplo, ele fez os dois do empate por 2 a 2 com o Napoli, que chegou a estar vencendo por 2 a 0.

Jogar em casa, que podia ser um trunfo para o Milan, tem sido um tormento. Em sete jogos no San Siro na competição já foram quatro derrotas: Sampdoria (1 a 0), Atalanta (1 a 0), Fiorentina (3 a 1) e Inter (1 a 0, num jogo em que o Milan era o mandante).

O técnico Massimiliano Allegri ganhou alguns dias de tranquilidade para preparar a equipe graças à vitória no meio de semana sobre o Anderlecht por 3 a 1 em Bruxelas que garantiu a classificação para as oitavas de final da Copa dos Campeões, mas sabe que uma derrota fará a temperatura subir novamente.

Pato foi vetado por causa de uma pancada que recebeu no jogo na Bélgica. Ele declarou que está cansado de ficar na reserva e que se não começar a ser mais aproveitado prefere sair. "Pato é um problema. Ele tinha um futuro brilhante, mas as lesões diminuíram muito o seu valor de mercado", disse o presidente Silvio Berlusconi.

A Juve tem problemas na defesa. Bonucci está gripado e Chiellni é dúvida por causa de uma lesão. A dupla de ataque deverá ser formada por Quagliarella e Giovinco.

A confiança da equipe está lá em cima depois da contundente vitória por 3 a 0 sobre o Chelsea em Turim pela Copa dos Campeões. O nível da atuação foi altíssimo, e o placar poderia ter sido mais folgado.

Pedreira. Na Espanha, o líder Barcelona terá uma partida dura hoje: fora de casa enfrentará o Levante, equipe revelação da temporada - está no bloco que briga por vaga na Copa dos Campeões.

No campeonato passado o Levante terminou em sexto lugar, o que lhe valeu a classificação para a Liga Europa. E na competição continental o time já garantiu presença na próxima mesmo ainda faltando uma rodada para terminar a etapa de grupos.

O Barça faz a melhor campanha da história do Campeonato Espanhol, com 11 vitórias e um empate em 12 rodadas. E Messi comanda com folga a tabela de artilheiros com 17 gols, cinco a mais do que Cristiano Ronaldo (Real Madrid) e sete à frente do colombiano Falcao Garcia (Atlético de Madrid).

Preocupado com o desgaste de seus jogadores o técnico Tito Vilanova deu a quinta e a sexta-feira de folga para o elenco, que em breve ganhará dois reforços: o lateral Adriano e o meia Thiago Alcântara estão recuperados de lesão e já treinam fisicamente.

O Atlético de Madrid, vice-líder com 31 pontos, receberá o Sevilla - que na rodada passada fez a festa no dérbi da Andaluzia ao derrotar o Betis por 5a 1.

Nunca o time de Madri tinha conseguido tantos pontos em 12 rodadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.