Minas aposta em Keba para barrar Osasco

O Finasa/Osasco pode conquistar nesta quarta-feira o bicampeonato da Superliga Feminina de Vôlei. A equipe enfrenta o MRV/Minas em Belo Horizonte, às 20h30 (com transmissão da SporTV), e se vencer encerra a série melhor-de-cinco em 3 a 1.Para empatar a série e decidir o título apenas no sábado, no ginásio do Ibirapuera, o maior reforço da equipe mineira é a norte-americana Keba Phipps.Keba, de 34 anos, é titular absoluta na seleção dos Estados Unidos. No time mineiro, comandado pelo técnico Chico dos Santos, não é diferente. Ao lado de Virna, ela é a estrela do MRV e uma das jogadoras prefridas pelos fãs.No segundo jogo da série final, Keba foi decisiva ao anotar 33 pontos na vitória que empatou a decisão com Osasco em 1 a 1.A atacante de 1,92 m está jogando sua primeira temporada no Brasil - e está apaixonada pelo País. "Sem dúvida, o Brasil é o melhor lugar onde já joguei. O país é lindo e os fãs são muito carinhosos. Tenho muito carinho pelo público brasileiro", disse Keba, que disputou sua primeira Olimpíada aos 18 anos, em Seul/88. Em Sydney/2000, ficou fora da equipe porque estava se recuperando de uma cirurgia no joelho. "As chances dos Estados Unidos são muito grandes (em Atenas). Brigaremos pelo ouro", avisou.Em quadra, Keba é a atleta que mais chama a atenção: mantém o penteado rastafari, tem três brincos em cada orelha, além de um piercing no queixo que se assemelha a um diamante. Além dos acessórios, ela gosta de tatuagens - semana passada exibia uma de henna feita no Rio de Janeiro - e não se separa dos óculos de acrílico. "São só para proteção", garantiu.Polêmica, Keba já foi suspensa por nove jogos durante o Campeonato Italiano, em 2002, quando jogava no Bergamo. Ela foi pega no antidoping por uso de maconha, mas prefere não comentar o caso. No Brasil, a norte-americana jura que não sai com freqüência à noite. "De casa vou para o treino, e do treino vou para casa. A rotina é cansativa, tenho de descansar. Gosto de ver TV a cabo e ouvir música. Meu passei preferido é ir ao Rio de Janeiro, porque as praias são lindas", contou.

Agencia Estado,

27 de abril de 2004 | 17h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.