Mineirão ganha nova roupagem e uma esplanada para 65 mil pessoas

Estádio passou por uma verdadeira revolução interna e, com 78% de avanço, estará pronto em dezembro deste ano

EDUARDO ASTA / INFOGRAFIA, TEXTO, JONATAN SARMENTO / ILUSTRAÇÃOALMIR LEITE, PAULO FAVERO, REPORTAGEM, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2012 | 03h10

A reforma do Mineirão faz parte de um projeto mais amplo de dar centralidade à região que inclui a Lagoa da Pampulha e o complexo turístico e arquitetônico criado por Oscar Niemeyer. Nesta valorização da cidade para o chamado Vetor Norte, em direção ao Aeroporto de Confins, foi construída a nova sede do governo mineiro e ao estádio coube a responsabilidade de se tornar um cartão-postal recuperado da cidade. "Ele deixará de ser apenas estádio de futebol para também se tornar um polo de atividade, gerando renda e benefícios para a população", explica o arquiteto Bruno Campos, um dos idealizadores do projeto.

Se for levado em conta apenas o estádio, excluindo o entorno, por fora parece que não houve muita mudança. Por ser tombado pelo patrimônio histórico, a fachada teve de ser mantida. Mas por dentro ocorreu uma verdadeira revolução, como se a casca permanecesse e todo o recheio fosse substituído. "A ideia foi recuperar uma estrutura existente de um projeto da década de 40, preservando o lado externo e remodelando por dentro. Os 88 pórticos estruturais e os anéis foram preservados. A arquibancada inferior foi remodelada e refizemos o estádio inteiro por dentro", conta.

Atualmente, as obras estão em ritmo acelerado e 78% de avanço já foi feito. Segundo Fuad Noman, secretário interino de Estado Extraordinário da Copa do Mundo, o cronograma está dentro do prazo. "As obras do Mineirão estarão concluídas até 21 de dezembro de 2012", avisa, sem citar detalhes de como será a festa de reabertura. "Ainda estamos pensando em como será essa reinauguração. Mas o importante é que a obra estará pronta no prazo e o estádio estará pronto para o Campeonato Mineiro de 2013", completa.

Ele acha, inclusive, que depois de concluído o estádio ajudará a diminuir os índices de violência entre as torcidas e também ajudará a melhorar o desempenho dos times do Estado. "Acredito que a modernização do Mineirão vai impactar nos mineiros de diversas maneiras. Por exemplo, no aspecto cultural, penso que um lugar limpo, bonito e seguro inspira nos torcedores um comportamento no mesmo tom. Já para o esporte, a nova infraestrutura vai contribuir para um melhor rendimento dos times mineiros", explica.

Sem carros. O grande charme do projeto de reforma foi a revitalização da praça em volta do estádio. Se antes o espaço era dedicado aos automóveis, em um grande estacionamento a céu aberto, agora a prioridade ficou com as pessoas. A esplanada terá grandes rampas e concentrará uma série de serviços na área de 80 mil metros quadrados para 65 mil pessoas. Já os carros ficarão escondidos sob a construção.

"Ela é para público pedestre e vai se adaptando à topografia do entorno. O desnível é de mais de 15 metros. Então teremos a placa esculpida em níveis e lá haverá uma série de novos programas comerciais, lojas e atividades. Acho que isso reforça a monumentalidade da arquitetura original do Mineirão", lembra Bruno Campos, que acredita em um novo paradigma para Belo Horizonte. "Será uma instalação de nível internacional."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.