Mineirinho coloca seu nome na história

Ao vencer a etapa do Rio, surfista é o 1º brasileiro a assumir a liderança do ranking mundial. 'É uma emoção indescritível'

Bruno Lousada, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2011 | 00h00

Sob o coro de "Mineiro, Mineiro, Mineiro", o paulista Adriano de Souza saiu do mar da Barra da Tijuca com os olhos cheios de lágrimas e a certeza de que fez história. Além de vencer a etapa do Rio do Circuito Mundial, superando o australiano Taj Burrow na final, o surfista de 24 anos protagonizou outra façanha: tornou-se o 1º brasileiro a assumir a liderança do ranking mundial.

Um dia histórico para o esporte nacional. "É uma emoção indescritível que estou vivendo."

Ao pisar na areia, Adriano, mais conhecido como Mineirinho, driblou o público que entoava seu nome como se estivesse num estádio de futebol e correu em direção ao palanque.

Ali, contagiado pelo clima de euforia, demonstrou gratidão ao abraçar seu técnico e empresário, Luis Henrique Campos, o Pinga, com quem trabalha há 14 anos. Ao fundo, os gritos de "Mineiro" ecoavam sem parar.

"É muita emoção, estou até sem palavras, mas primeiro de tudo preciso agradecer muito ao Pinga, que sempre me apoiou e acreditou que este dia iria chegar", falou o surfista.

Depois, não mediu elogios ao seu patrocinador e aos fãs pelo apoio incessante. "Posso dizer que o público me puxou para esse título."

Ao ser indagado sobre a inédita liderança de um brasileiro na divisão de elite do surfe, voltou a chorar. "Estou feliz com tudo isso. Sei que ainda é muito cedo pra pensar em título mundial, tem muitos surfistas bons no circuito, estamos só no início da temporada ainda", disse, certo de que tudo pode mudar nas etapas restantes da competição.

Mineiro venceu sua primeira prova do circuito no País e ganhou troféu, prêmio de US$ 100 mil (cerca de R$ 160 mil) e uma prancha pintada com a imagem do carioca Pepê, surfista de renome que faleceu em 1991.

"Posso morrer feliz da vida, pois venci esse campeonato. Entrei para a história do surfe brasileiro. Antes, todo mundo falava que eu poderia (ganhar), mas era difícil acreditar, pois ainda não tinha vencido um grande evento no meu País. O dia chegou."

Em 1998, ainda bem jovem, ao lado de Pinga, Mineirinho assistiu ao circuito exatamente na Barra da Tijuca. Com olhar de aprendiz, viu o ídolo Peterson Rosa sagrar-se campeão e nunca se esqueceu daquele dia.

Ontem, foi a sua vez de ser protagonista. "Desde aquele ano sempre sonhei. Agora consegui."

Com a vitória no Rio, Adriano de Souza é o novo líder mundial, com 20.500 pontos, seguido pelo australiano Joel Parkinson (19.200) e o decacampeão mundial Kelly Slater (16.950).

No ano passado, na etapa brasileira do circuito, o potiguar Jadson André derrotou Slater, em Imbituba (SC), na decisão.

"Em 2009, cheguei muito próximo da vitória lá em Imbituba, mas o Kelly (Slater) me venceu no finalzinho e eu fiquei com aquele gostinho amargo na boca. Mas o meu dia chegou aqui no Rio e não poderia ser melhor, principalmente porque veio na hora certa, quando estou bem no ranking", comemorou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.