Mineirinho: ''Quero ser o maior surfista da história do País''

Atleta trocou a vida social pelo esporte e está confiante em vencer a etapa de Imbituba. Sonho é o título mundial

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

Tudo, tudo pelo surfe. Parece exagero, mas é basicamente assim que pensa Adriano de Souza, o Mineirinho. Principal surfista do Brasil, terminou 2009 na 5ª colocação, e passa o dia inteiro dentro d"água ­- ou fazendo alguma coisa que melhore sua performance dentro dela. A meta, claro, é o primeiro título mundial para um brasileiro. "Quero ser o maior surfista da história do País", diz ele, que, apesar do apelido, nasceu no Guarujá.

Mineirinho é um caso raro de quem largou praticamente tudo pelo esporte. Adotado por uma marca de roupas de surfe desde cedo, foi para os Estados Unidos se dedicar de forma exclusiva a experimentar as melhores ondas do mundo. Mal vê a mãe, dona Luzimar, que mora no Guarujá. "Ela já está acostumada. Nem vem aqui me ver durante o campeonato. Pra tirar ela de casa é duro", conta. O papel de pai cabe ao empresário Luís Pinga, com quem mora na Califórnia e quem providencia tudo para o jovem de 23 anos só pensar em surfe.

"Na minha vida lá fora, estou sozinho, mas tenho esse suporte", explica o surfista. "Consigo me focar numa rotina, o surfe é basicamente tudo que faço."

Sua última escolha - e uma das mais difíceis - foi romper o namoro de cinco anos com Cláudia Gonçalves, também surfista e sócia de uma revista especializada no mundo feminino do esporte. "Chegou uma hora que não dava quase para ficarmos juntos. Eu não posso ter uma vida pessoal como a maioria das pessoas", diz. "Então tive de escolher. No momento, como sou jovem ainda, apostei na minha profissão. Quando acabar tudo, vou pensar mais na vida pessoal."

Planos. A etapa de Imbituba do circuito mundial é uma grande possibilidade de Mineirinho dar um pulo - é o sexto colocado do ranking mundial. Se vencer, pode chegar ao seletíssimo grupo dos três melhores (hoje são Taj Burrow, Kelly Slater e Jordy Smith) e garantir presença entre os 32 que disputam o título a partir da sexta etapa, a da Califórnia.

"Aqui estou em casa e posso utilizar a torcida a meu favor, já que muitos estão apostando em mim para o título mundial", afirma o mais jovem campeão de todos os tempos da antiga divisão de acesso ao circuito mundial, aos 18 anos, em 2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.