Ministro ameaça excluir cidades, e depois volta atrás

O ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, disse ontem à tarde existir ameaça de exclusão das cidades que desrespeitarem os prazos de início das obras para a Copa de 2014, mas à noite mudou de posição. Na Bahia, onde participou de evento com empresários, Silva foi claro sobre o que pode ocorrer no caso do descumprimento do prazo. "Posso assegurar que se a cidade não cumprir o prazo de início das obras em 3 de maio passa a ter o risco de exclusão da Copa", afirmou.

TIAGO DÉCIMO, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2010 | 00h00

De acordo com Silva Júnior, nenhuma cidade está livre do risco. Ele ressaltou que a decisão de fazer a Copa em 12 cidades foi tomada pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. "Se não fosse assim, provavelmente cidades das regiões Norte e Centro-Oeste não receberiam jogos", explicou. ''Mas a Fifa só precisa de oito cidades. Então, o plano de contingência é eliminar as cidades que não conseguirem cumprir os prazos."

À noite, porém, a assessoria do ministério divulgou nota dizendo que o Governo Federal não se envolve com o tema. "Estádios é assunto entre as cidades, estados e a Fifa"", afirmou Orlando Silva na nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.