Ministro do Esporte critica governo do Rio por poucas obras

O ministro do Esporte, Orlando Silva, fez nesta quinta-feira as primeiras críticas em relação às oportunidades desperdiçadas pelo Rio, de realizar melhorias na cidade, ao se preparar para os Jogos Pan-Americanos. Durante a visita ao Complexo Esportivo Deodoro, ele ainda soube que o Exército não trabalhará com a Força Nacional de Segurança no local e, para transmitir uma imagem acolhedora ao público, os soldados atuarão à paisana nas competições, previstas para ocorrerem entre os dias 13 e 29 de julho. ?O que deixou de ser feito não vai interferir no Pan. Todos os trabalhos esportivos foram realizados, mas acredito que em infra-estrutura poderíamos ter algo a mais?, disse o ministro do Esporte, que acompanhou a visita do presidente e do relator da Comissão de Coordenação da Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa) para o Rio-2007, Julio Maglione e Ramón Zubizarreta, respectivamente. ?Sobretudo para quem acalenta o sonho olímpico, precisaríamos de um transporte melhor.? De acordo com o ministro do Esporte, o transporte foi o principal ponto onde a cidade pecou ao não aproveitar o Pan para modernizá-lo. Ele destacou que linhas de metrô deveriam ter sido ampliadas e lembrou que a melhoria nos sistemas viários era um ponto crucial na preparação da Alemanha para a organização da Copa do Mundo de 2006. Orlando Silva ainda frisou que a prefeitura tentou viabilizar um empréstimo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) para um plano de mobilidade urbana, mas sua capacidade de endividamento estava ?estourada?, assim como ocorreu com o governo do Estado, por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal. ?Mas todos poderíamos ter feito um esforço maior?, afirmou. SegurançaO general de divisão, comandante da 1ª divisão de Exército, em Deodoro, explicou que o Exército será o único responsável pela segurança no local. Durante os Jogos Pan-Americanos, a Vila Militar receberá as disputas de Hipismo, Hóquei sobre Grama, Pentatlo Moderno, Tiro Esportivo e o Tiro com Arco. ?Aqui não há necessidade da Força Nacional de Segurança e nós seremos os responsáveis. Com isso liberamos eles para atuarem em outros setores do Rio?, disse. ?Vamos destacar mais de mil homens e todos estarão disfarçados para não passarem uma imagem agressiva. Não vão portar fuzis, mas estarão armados.? No total, serão investidos R$ 9 milhões na segurança dos torcedores em Deodoro. E durante o segundo dia de inspeções às instalações do Rio-2007, o presidente da Comissão de Coordenação da Odepa voltou a elogiar a organização: ?ocorreram progressos significativos desde a última vez em que estive aqui. Tudo está maravilhoso?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.