Arquivo/AE
Arquivo/AE

Ministro elogia resultado da Lei de Incentivo ao Esporte

R$ 132 milhões de investimentos no esporte amador, profissional e olímpico teriam sido arrecadados

Vannildo Mendes, Agencia Estado

20 de março de 2009 | 12h37

O ministro do Esporte, Orlando Silva divulgou nesta sexta-feira o resultado dos primeiros 15 meses de vigência da Lei de Incentivo ao Esporte. No período, o governo ampliou para R$ 132 milhões os investimentos em todas as modalidades de esporte amador, profissional e olímpico, beneficiando cerca de 1,5 milhão de pessoas em novos projetos. De acordo com o levantamento, houve um crescimento de mais de 600% na captação de recursos e investimentos. A lei prevê o abatimento no Imposto de Renda para empresas que fizerem doações para o setor.

O ministro considerou os resultados extremamente positivos e informou que vai começar agora a segunda etapa do programa, com uma campanha maciça de divulgação dos esportes e qualificação de gestores do programa, para estimular a captação de recursos. Nessa fase, o governo pretende também promover a adesão de mais estados ao programa na aplicação da lei de incentivo ao esporte, que atualmente está mais concentrada na região Sudeste.

Além das modalidades esportivas já beneficiadas, Orlando Silva disse que pretende incrementar o apoio de empresários a esportes recreativos e de inclusão social. Pretende também resolver o gargalo ainda existente no patrocínio de esportes olímpicos menos populares. "Bons atletas olímpicos ainda precisam de apoio e a lei de incentivo os ajudará a descobrir patrocinadores", disse o ministro.

As medidas para incrementar a aplicação da lei começarão na segunda quinzena de abril, com seminários e cursos para formação de gestores. Orlando Silva espera que em 2009 haja um incremento expressivo na captação de recursos, que registrou pequena queda no final de 2008, em consequência da crise internacional. "O Brasil vai retomar rápido o crescimento econômico e o esporte refletirá essa virada", disse o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.