Ministro francês diz que exigirá nível máximo de segurança na Eurocopa

Com a Europa em alerta máximo, o ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, disse nesta terça-feira que as explosões em Bruxelas são um lembrete de que um "muito elevado nível de segurança" será necessário durante a Eurocopa deste ano no país.

Estadão Conteúdo

22 de março de 2016 | 12h12

Falando horas depois de três explosões matarem dezenas de pessoas na capital belga, Cazeneuve disse que tudo será posto em prática para garantir a "segurança coletiva" no torneio, entre 10 de junho e 10 julho, com a mobilização de forças policiais, equipes de emergência especialmente treinadas e os bombeiros.

Na sequência dos ataques em Paris, que deixaram 130 pessoas mortas em novembro, a França permanece em estado de emergência, que foi recentemente ampliado até 26 de maio, duas semanas antes do jogo de abertura da Eurocopa. Os organizadores do torneio reforçaram a segurança e decidiram realizar alterações nas Fan Fests, consideradas mais vulneráveis, antes mesmo dos eventos em Bruxelas.

As Fan Fests são tradicionalmente criadas em praças ou parques com o intuito de permitir que os torcedores acompanhem os jogos através de telões. Cerca de 7 milhões de pessoas as visitaram na edição de 2012 da Eurocopa, disputada na Ucrânia e na Polônia. Cazeneuve disse que a Eurocopa deve trazer "esportividade, festividade e segurança para as equipes, seus membros e espectadores".

Após as autoridades francesas simularem na semana passada um ataque químico em uma exibição ao ar livre de uma partida, Cazeneuve disse que mais treinamentos estão previstos para o torneio continental.

De acordo com altos funcionários de segurança da Eurocopa, varreduras para encontrar explosivos serão feitas quando as Fan Fest forem abertas, com a possibilidade de detectores de metal serem instalados nas entradas. Cazeneuve disse que o Estado vai contribuir com até 2 milhões de euros (aproximadamente R$ 8 milhões) para vigilância através de vídeo nas áreas.

Os organizadores anunciaram no mês passado que cerca de 10 mil pessoas haviam sido contratadas para realizar a segurança do torneio, entre eles 900 agentes mobilizados para cada um dos 51 jogos. E esse número poderá ser ampliado.

Além do risco de ataques extremistas, os organizadores também precisa lidar com a grande possibilidade de vandalismo. As autoridades francesas vêm trabalhando com observadores dos países classificados para identificar potenciais arruaceiros.

Cinco jogos da fase de grupos são tratados como de alto risco: Inglaterra x Rússia, Turquia x Croácia, Inglaterra x País de Gales, Alemanha x Polônia e Ucrânia x Polônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.