Molina dá show e Santos arrasa time de Evo Morales

Meia colombiano faz 4 e comanda goleada por 7 a 0 contra o San José, que deixa equipe em boa situação

Martín Fernandez, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2008 | 00h00

Com atuação memorável do colombiano Molina, o Santos atropelou o San José, da Bolívia. Goleou por 7 a 0, ficou em situação confortável no Grupo 6 da Taça Libertadores - 2º lugar, com 7 pontos - e ajudou a torcida a diminuir a frustração pela eliminação no Paulista. A vitória serviu ainda como troco pelo resultado de duas semanas atrás, quando o Santos perdeu, em Oruro (2 a 1), para o mesmo San José, time do presidente boliviano, Evo Morales.No nível do mar, ontem, os santistas não deram nenhuma chance aos bolivianos. O show foi comandado por Molina, autor de 4 gols. "Quatro eu nunca havia marcado", contou o colombiano, ao deixar o campo. "Mas tudo isso é resultado de sacrifício, luta e entrega."O time paulista jogou em cima do San José o tempo todo e abriu o placar aos 17 minutos, com cabeçada de Domingos, após passe de Kléber. Em seguida começou o festival de gols de Molina. Primeiro com um belo chute de fora da área, depois com oportunismo, ao aproveitar um rebote da zaga, o colombiano marcou duas vezes. Com 3 a 0, o Santos ainda foi beneficiado pela (justa) expulsão de Palacios, por carrinho em Kléber. Com um a menos, os bolivianos, que nunca chegaram com perigo ao gol de Fábio Costa, tiveram de correr mais. Ficaram cansados e levaram mais quatro no segundo tempo - Wesley ainda fez mais um, mas o juiz o anulou corretamente, por impedimento. Molina marcou o quarto, num belo voleio, e Kléber Pereira ampliou. O técnico Emerson Leão aproveitou para dar nova chance ao garoto Tiago Luís e a Michael Jackson Quiñonez. O equatoriano aproveitou e anotou o sexto gol santista. Para fechar a maior goleada desta edição da Libertadores, Molina marcou de novo - um golaço.Na próxima semana, o Santos viaja para enfrentar o Chivas, em Guadalajara. No domingo, joga contra a Ponte Preta pelo Campeonato Paulista. Se vencer, pode ajudar o Corinthians a se classificar. A data da viagem ao México não foi definida. "Mas eu vou estar no banco de reservas", prometeu Leão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.