Boris Pejovic/Efe
Boris Pejovic/Efe

Montenegro surpreende a Europa

Após 4 rodadas, a nação mais nova do continente lidera o Grupo G, à frente da poderosa Inglaterra nas Eliminatórias

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2010 | 01h00

A mais jovem nação europeia está em festa - e assim ficará, graças ao sucesso de sua seleção, pelo menos até março de 2011, quando recomeçam os jogos do Grupo G para as Eliminatórias da Eurocopa de 2012. Invicto após quatro partidas, Montenegro é a sensação do principal torneio de seleções do continente. Lidera a chave que tem Inglaterra, atual vice-líder, mas também Suíça, Bulgária e País de Gales.

Foram três vitórias (todas por 1 a 0) e um empate por 0 a 0 celebrado como triunfo. Afinal, o adversário era a Inglaterra, em Wembley. A partida, realizada na terça-feira, entrou para a história do país, filiado à Uefa há apenas três anos - montenegrinos e sérvios, que faziam parte da antiga Iugoslávia, separaram-se em 2006, mas ainda disputaram, juntos, a Copa da Alemanha.

A pequena república dos Bálcãs tem apenas 680 mil habitantes - população semelhante à da cidade de Osasco, em São Paulo - e está situada em um território montanhoso, encravada entre o Mar Adriático, Albânia, Bósnia, Croácia e Sérvia. Fez sua estreia em 24 de março de 2007, no amistoso em que derrotou a Hungria por 2 a 1. A primeira partida oficial foi em 6 de setembro de 2008, 2 a 2 contra a Bulgária pelas Eliminatórias da Copa de 2010. A primeira vitória ocorreu há pouco mais de um ano: 2 a 1 contra a Geórgia, na capital Podgorica, em um estádio com capacidade máxima para 17 mil.

O otimismo após o empate em Wembley já cria sonhos entre os montenegrinos. "Não considero o resultado um milagre, mas é algo que superou nossas expectativas", disse o técnico croata Zlatko Kranjcar, na seleção há 10 meses. "Três vitórias e um empate, com a defesa sem levar gols, mostra que temos talento e força."

Mesmo assim, o caminho que separa Montenegro da Euro, com suas 16 seleções (incluindo as anfitriãs Polônia e Ucrânia), não é fácil. Para se classificar automaticamente, a seleção precisa manter a posição atual ao fim dos oito jogos. Se ficar em 2.º, deve garantir a melhor campanha, senão, vai para a repescagem com outros oito vice-líderes. "Mas, se tivermos força total daqui a um ano, quando enfrentarmos a Inglaterra em Podgorica, acho que poderemos ficar com a liderança", apostou Kranjcar. "Ainda ponho os ingleses como favoritos, mas quem pode garantir?"

Para assegurar essa posição, o técnico aposta no capitão Mirko Vucinic. O atacante da Roma gosta de comemorar seus gols de maneira, no mínimo, excêntrica. Na vitória contra a Suíça, tirou o calção e desfilou de cueca pelo gramado do Estádio Podgorica - levou o amarelo, mas garantiu a festa da torcida. Apesar de ter renovado o contrato com os italianos por mais quatro anos, ele é cotado para reforçar o Chelsea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.