Cbvela/Site oficial
Cbvela/Site oficial

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Morre aos 79 anos Axel Schmidt, primeiro brasileiro campeão mundial na vela

Ex-velejador era tio dos campeões olímpicos Torben e Lars Grael, destaques do Brasil na modalidade

Estadão Conteúdo

11 Junho 2018 | 15h06

Morreu no domingo o velejador Axel Schmidt, aos 79 anos, tio dos campeões olímpicos Torben e Lars Grael. Schmidt foi um dos pioneiros da vela no Brasil. Ele e seu irmão gêmeo, Erik, se tornaram os primeiros campeões mundiais do País na modalidade.

+ Líder da Volvo Ocean Race, Dongfeng vence regata interna em Cardiff

Na categoria Snipe, ainda faturaram o tricampeonato mundial consecutivo em 1961, 1963 e 1965. Os gêmeos também foram campeões dos Jogos Pan-Americanos de Chicago, em 1959, e prata no Pan de São Paulo, em 1963. Juntos também disputaram os Jogos Olímpicos do México de 1968 e de Munique de 1972.

Lars Grael divulgou mensagem no Facebook lamentando a morte do tio. Nela, ele destacou os principais feitos e conquistas de Axel Schmidt e também publicou algumas fotos, entre elas, do momento em que o pioneiro da vela conduziu a tocha olímpica dos Jogos do Rio de 2016.

"A vela brasileira perde um dos seus maiores nomes. Neste domingo perdemos o Tio, professor e comandante Axel Schmidt", escreveu. "Dedicou-se com o irmão a capacitar e formar os sobrinhos na vela. Desta dedicação, vieram Torben e Lars Schmidt Grael. Foi Comodoro do centenário Rio Yacht Club (Sailing) em Niteroi. A Vela brasileira agradece ao campeão. Nós agradecemos ao mestre. Veleje em paz", prosseguiu.

Mesmo aos 79 anos, Axel Schmidt ainda velejava na Baía de Guanabara e aconselhava as novas gerações de atletas do Rio Yacht Club. O velejador Axel deixa a esposa Moema, os filhos Ingrid e Anders e os netos Bárbara e Dylan. A causa da morte não foi informada pelos familiares.

Mais conteúdo sobre:
Vela Axel Schmidt Torben Grael Lars Grael

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.