Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Morre o ex-jogador Alfredinho, que atuou no Santos com Pelé

O futebol perdeu na madrugada desta terça-feira Alfredo Sampaio Filho, o "Alfredinho", que foi técnico e jogador, tendo atuado no Santos ao lado de Pelé. Também passou por times como o Palmeiras e foi técnico das duas equipes de Ribeirão Preto (SP), Botafogo e Comercial. Ele tinha 90 anos de idade e seu velório será na tarde desta terça, em Ribeirão Preto.

Rene Moreira, especial para a AE, Estadao Conteudo

04 de abril de 2017 | 13h02


Centroavante, ele também chegou a atuar como ponta direita e começou a carreira de jogador no time do Ceará. Ao longo da vida, treinando ou jogando, acumulou passagens também por Marília, Taquaritinga, Linense e XV de Piracicaba, times do interior paulista, além do Madureira, do Rio de Janeiro, e do Sampaio Correia, do Maranhão.


Ele encerrou a carreira como jogador nos anos 60 e, no total, somou 50 anos de futebol, sendo 32 como treinador, função iniciada no Santos. Ele era o auxiliar técnico no time que bateu o Milan, no Maracanã, e foi bicampeão mundial em 1.963.


Alfredinho também era conhecido por suas declarações polêmicas e ganhou o apelido de "Bruxo" por suas conquistas como técnico nos anos 60 e 70. Evitar rebaixamentos era uma delas e ele diz que foram 18 situações do tipo em Estaduais. Botafogo e Comercial, os dois times de Ribeirão, estão entre os que ele salvou da "zona da degola".


"Alfredinho se tornou uma lenda e um personagem folclórico que contribuiu para o engrandecimento do futebol no interior", diz nota do Botafogo, que o teve como técnico por mais de uma vez. O clube declarou luto de três dias em razão da morte do ídolo.


Ele nasceu na cidade de Cascavel, no Ceará, em fevereiro de 1927, e há anos vivia como aposentado no bairro Lagoinha, em Ribeirão Preto, onde constituiu família e será sepultado. A causa de sua morte não foi divulgada, mas o velório está marcado para começar às 13h, na Sala Azaleia, no cemitério Memorial Parque dos Girassóis, em Ribeirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.