Jacky Naegelen/Reuters
Jacky Naegelen/Reuters

Mortes, terrorismo e mudança de continente marcam história do Rally Dakar

Maior competição off-road do mundo completa 40 anos com largada nesta segunda, no Peru

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2019 | 04h30

Disputado desde 1979, o Rally Dakar começa nesta segunda-feira e terá uma edição bem diferente das realizadas no começo da sua história. Pela primeira vez o percurso será todo em um mesmo país e com configurações bem diferentes daquelas que batizaram a competição.

O rali recebeu este nome pois inicialmente começava em Paris, na França, e terminava em Dacar, a capital do Senegal. Os primeiros trajetos tinham 10 mil km de extensão, praticamente o dobro dos mais de 5 mil km atuais, e passavam por cinco países.

A partir dos anos 2000 o rali aos poucos deixou de ter o início em Paris, para ter partidas em cidades localizadas mais ao Sul da Europa, como Lisboa e Barcelona. A grande ruptura histórica veio em 2008, único ano em que a prova foi cancelada.

Um dia antes da largada a organização anunciou que por motivos de segurança o rali não seria realizado. A preocupação era com a Mauritânia, que receberia oito das 15 etapas do trajeto. No país do Norte da África terroristas ligados à Al Qaeda ameaçavam cometer atentados contra os competidores. O mesmo grupo havia assassinado quatro turistas franceses que estavam na Mauritânia em dezembro de 2007.

O problema levou a organização a levar o trajeto para a América do Sul a partir de 2009. O nome de Dakar, no entanto, foi mantido. As primeiras edições no novo continente passaram por Argentina e Chile. Cidades do Paraguai e da Bolívia também integraram o roteiro nos últimos anos.

O histórico do Rally Dakar é composto por episódios perigosos. Em todas as edições, 24 competidores morreram, além de acidentes fatais que envolveram espectadores. A última morte foi em 2015. A vítima foi um motociclista polonês.

O principal nome da história do Rally Dakar vai disputar novamente a competição em 2019. O francês Stéphane Peterhansel já ganhou entre as motos seis vezes e mais outras sete nos carros, categoria pela qual novamente vai concorrer no Peru. Chamado de "Mister Dakar", o recordista absoluta de vitórias tem 53 anos e disputou a prova pela primeira vez em 1988. 

 

 

Mais conteúdo sobre:
RaliRally Dakarautomobilismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.