Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Morumbi pode ficar fora do torneio de futebol no Rio

Estádio do São Paulo foi indicado como uma das sedes do futebol nos Jogos de 2016, mas deve ser trocado pelo Itaquerão

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h07

LONDRES - Depois de perder o direito de sediar a Copa do Mundo de 2014, o Morumbi corre o risco de também ficar de fora do torneio olímpico de futebol, em 2016. Membros da alta cúpula do Comitê Organizador dos Jogos admitiram ao Estado que "pressão política" poderá exigir uma mudança no estádio usado no evento.

O próprio Comitê Olímpico Internacional (COI) também admitiu que poderá seguir os estádios que a Fifa utilizará na Copa de 2014. Nesse caso, o Itaquerão seria escolhido também para sediar os jogos do torneio de futebol olímpico em 2016.

O programa de futebol nos Jogos de 2016 foi apresentado ainda em 2008, quando o Rio precisava delinear os locais onde realizaria os eventos para tentar convencer os membros do COI a votar pela cidade carioca. Na época, a garantia dada foi de que os jogos do torneio de futebol ocorreriam também em São Paulo, no Morumbi. Um ano antes, em 2007, o então governador de São Paulo, José Serra, havia fechado um acordo com a CBF, Rio e Minas, de que a cidade seria a anfitriã da abertura do Mundial

Mas, em 2010, a CBF convenceu a Fifa a derrubar o projeto do Morumbi para a Copa de 2014, alegando que não havia garantias financeiras suficientes por parte do São Paulo Futebol Clube. A decisão abriu caminho para que o estádio do Corinthians saísse do papel.

Pressão. Agora, a cúpula da organização dos Jogos de 2016 já admite que a "pressão política" poderá acabar retirando o Morumbi da agenda. "Por hoje, o Morumbi é o estádio que seria usado. Mas sabemos que a situação poderá levar a uma mudança", indicou um dos membros da organização dos Jogos do Rio. "Haverá uma pressão grande para sediar os jogos no Itaquerão."

O diretor de eventos do COI, Gilbert Felli, declarou ao Estado que a entidade não tem preferências entre o Morumbi ou o Itaquerão. Mas insinuou que o estádio do São Paulo pode de fato ser preterido. "Vamos no estádio que a Fifa usar", disse. "O importante é que a cidade de São Paulo esteja no torneio."

No COI, a principal preocupação não é o campo de jogo, mas a situação dos aeroportos. Jacques Rogge, presidente da entidade, insiste que já alertou o governo brasileiro sobre isso.

Hoje, o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, apresentará ao COI uma avaliação da situação da preparação da cidade e a entidade também dará sua versão. O dia também marcará a chegada da presidente Dilma Rousseff, que desembarca em Londres e terá encontros não apenas com o governo britânico, mas com o COI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.