MRV e São Caetano brigam pela liderança

MRV/Minas e Açúcar União/São Caetanobrigam neste domingo pela liderança da Superliga Feminina deVôlei. Líder e vice-líder jogam em Belo Horizonte às 17 horas,com transmissão ao vivo da SporTV. O jogo fecha as atividades dovôlei feminino em 2003. Depois de quatro rodadas, o MRV tem oito pontos, contra setedo Açúcar União São Caetano. O Macaé Sports é o terceiro, comseis. Para assumir a liderança, o time do ABC precisa vencer oMRV por 3 a 0 e ainda abrir vantagem sobre a equipe mineira nosaldo de pontos. William Carvalho, técnico do São Caetano, alerta: "Sabemosque o MRV tem um time excelente, um dos melhores do país. Ganhardeles por 3 a 0 em Belo Horizonte seria um feito histórico, masnão vamos jogar com a intenção de conseguir este placar." Apartida contará com jogadoras que estiveram na SeleçãoBrasileira nos últimos meses: Walewska e Carol, do Açúcar UniãoSão Caetano, e Arlene, Raquel, Fabiana, Gisele e Virna pelo MRV.O grupo comandado por Antônio Rizola tem ainda o reforço danorte-americana Keba Phipps. Apesar do favoritismo, Rizola mantém-se cauteloso: "Vai serum jogo difícil, o São Caetano é um dos favoritos para chegar àssemifinais. Precisamos tomar cuidado principalmente com a Carol e aWalewska.", prevê o treinador, que atuou em São Bernardo noúltimo Campeonato Pauli Na competição masculina, o destaque ficapara o encontro de Banespa/Mastercard/São Bernardo eTelemig/Minas, que jogam em São Paulo, às 20h, com SporTV. O time paulista é o terceiro colocado na classificação geral,com cinco pontos, duas vitórias e uma derrota em três jogos. Osmineiros estão em oitavo, com três pontos, uma vitória e umaderrota em duas partidas. O Banespa vem de vitória sobre aUCS/Colombo, por 3 sets a 0. Os mineiros também venceram naúltima rodada: 3 a 0 sobre o Santo André. Mauro Grasso, técnicodo Banespa, teme a falta de entrosamento dos atletas. "Nossa equipe está sentindo falta de ritmo nos jogos. Alémdisso, vem sofrendo com problemas de concentração. Infelizmente,o time está desfalcado desde o começo do campeonato e ainda nãoconsegui jogar com a equipe completa. Uma semana antes decomeçarmos as rodadas, o Lorena torceu o pé, o Bráulio tevefebre altíssima assim como o Vinhedo. Na última rodada, o Lilicotambém jogou com febre", diz Grasso. Pelo Telemig,o técnico Carlos Alberto Castanheira, o Cebola,analisa: "O Banespa é um time bastante tradicional e temcrescido cada vez mais. Espero que nossa equipe também cresça eapresente um ritmo de jogo melhor. Nossa expectativa é de um bomjogo. Temos de treinar e preparar o time, pois ainda não tivemosmuito tempo. Tenho certeza de que nossa evolução virá durante acompetição. Precisamos colocar em prática todo o potencial que aequipe tem no papel e isso requer muito tempo, mas o grupo vemmostrando que está reagindo". O ponta Giovane é um dos três atletas da Seleção Brasileiraque atuam em Minas - os outros são o levantador Ricardinho e ooposto André Nascimento. Ele já atuou no Banespa "O Banespa éuma das forças do campeonato, joga em casa e está embaladodepois da vitória sobre a UCS. É uma equipe muito forte, quesabe jogar na frente no placar e tem um poder de reaçãoimpressionante", diz o veterano. "O Escadinha vai tertrabalho. Queremos muito vencer e, uma vitória sobre umadversário como o Banespa, é uma vitória especial, é um clássicodo vôlei brasileiro", avisou Giovane.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.