MSI e Lyon, os primeiros alvos

Clube garante encerrar parceria e pagar clube francês

O Estadao de S.Paulo

11 de outubro de 2007 | 00h00

Os dois primeiros reforços do Corinthians na era Andrés Sanchez foram apresentados ontem. Mas não atuarão dentro de campo. Sergio Alvarenga, vice jurídico, e Raul Corrêa da Silva, vice financeiro, assumiram as funções com a missão de solucionar dois problemas que vêm tirando o sono do corintiano nos últimos meses: a parceria com a MSI e a dívida de 8 milhões com o Lyon pela aquisição do atacante Nilmar.''''Não fizemos essa dívida com o Lyon, mas vamos pagar para limparmos a imagem do Corinthians. Lá na Europa ninguém quer mais fazer negócio com a gente'''', reconheceu. ''''Porém, faremos uma negociação com o Lyon, fazer propostas. É melhor receber alguma coisa do que nada'''', disse Alvarenga.O Corinthians estuda pagar 4 milhões à vista (valor que ainda tem a receber pela negociação do meia Carlos Alberto com o Werder Bremen) e parcelar os outros 4 milhões em um ano.E, quem diria, o Corinthians vai tentar trazer de volta o atacante ao Parque São Jorge. Não se importa nem com o vínculo entre ele e o Internacional, de 5 anos. ''''Contratos são feitos para serem desfeitos. Lutaremos pelos nossos direitos'''', sonhou Alvarenga, até porque o jogador não pretende mais defender as cores do clube.Além da pendência com o clube francês e outros R$ 76 milhões de dívidas, há, ainda, diversas ações trabalhistas a serem resolvidas. Os valores? Ninguém sabe. ''''É um absurdo, fora da realidade. Mas vamos devagar, sem pressa. Quem quiser fazer acordos, vamos sentar e conversar'''', ponderou Alvarenga. ''''E sabemos que muitos destes processos podem ser ganhos pelo Corinthians.''''ADEUS, MSIOutra tarefa é o rompimento em definitivo com a MSI. ''''Já fizemos contatos com 3 grandes escritórios jurídicos, todos do mais alto nível, e até o feriado (amanhã) anunciaremos o vencedor'''', disse Alvarenga. ''''Será nossa maior prioridade.'''' Há uma multa de R$ 50 milhões pelo rompimento do acordo.E onde entra Raul Corrêa nessa história? O auditor, agora vice financeiro, já fez o levantamento do que o clube tem a receber e o que precisa para acabar com as enormes dívidas. ''''Não podemos ter imediatismo. O primeiro passo é como ir a um médico. Ele pede os exames e, com os resultados, você separa as prioridades dos problemas'''', falou. ''''Vamos encontrar e solucionar todas as irregularidades com a velocidade que o caso exige.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.