Muito cuidado com patriotadas!

Boleiros

Ugo Giorgetti, ugog@estadao.com.br, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2009 | 00h00

A convocação da seleção para o jogo contra o Equador é de envergonhar qualquer um. Tudo ia muito bem e eu seguia lendo nomes dos grandes e inquestionáveis craques de sempre quando, de repente, estupefato, me deparo com dois jogadores que jogam no Brasil! dois!!! Um, vá lá - nenhum seria melhor, claro - mas dois? Miranda e Kleber. Por que manchar uma lista que vinha maravilhosamente bem, colocando os nomes desses jogadores que jogam no Brasil!? No Brasil?! Espantado leio os nomes de Miranda e Kleber, no meio de craques como Josué, Luisão, Doni, Felipe Melo, Gilberto Silva. Isso sem falar da procedência dos dois, pois, apesar de várias vezes campeões mundiais, o que são Internacional e São Paulo comparados com Panathinaikos ou Wolfsburg?Trata-se de provincianismo puro. E, além do mais, Dunga teria alternativas, tanto para o lugar de um como de outro. Só um exemplo entre tantos: há um jogador no Real Madrid - vejam bem, Real Madrid - brasileiro, chamado Pepe e zagueiro. Por que não convocá-lo? De quebra, esse Pepe naturalizou-se! Não sei bem se agora é português ou espanhol, mas não importa. Não seria essa uma ocasião de ouro para convocar um estrangeiro propriamente dito? Alguém que foi brasileiro, mas não é mais, como tantos de nós desejamos? Parece que as qualidades do ex-brasileiro são discutíveis, mas, repito, isso importa? Há vários jogadores da seleção que são reservas, incluindo Ronaldinho Gaúcho, que se declara sem ritmo, dado o tempo em que esquenta o banco do Milan. Portanto, não há desculpa para convocar Miranda e Kleber e perdermos a companhia de um do Real Madrid. E que diferença isso faz! Parece que não, mas nomes como Inter e São Paulo, no meio daquela profusão de times estrangeiros, são como uma inesperada, surpreendente e ameaçadora mancha, bem no meio de uma radiografia clara e transparente. E a que se deve esse aumento, esse exagero intolerável de jogadores daqui na seleção? Certamente à falta de vigilância por parte da imprensa. Hoje foram dois, e amanhã, quantos serão? Onde chegaremos? Dunga precisa ser contido, porque mais cedo ou mais tarde sofreremos as consequências. Felizmente o jogo é contra o Equador, e ninguém repara mesmo no Equador, mas imaginem se o jogo fosse contra, por exemplo,a Inglaterra! Por isso recomendo todo cuidado, e advirto: se alguém está soprando o nome de Hernanes nos ouvidos de Dunga é melhor que ele pense bem e não se precipite. Só como sugestão, há Taddei, da Roma, jogador sobre cujo futebol a torcida palmeirense não cessava de despejar injustamente todo tipo de insultos, mas que encontrou a redenção na Itália e, claro, deve ser preferível ao Hernanes. E Taddei é apenas um nome que me vem à cabeça no momento. Haverá outros na Turquia, na Croácia, talvez na Albânia. Inversamente queria pedir atenção para os que estão voltando sorrateiramente. Se a comissão técnica ainda não percebeu, Fred voltou para o Brasil. Joga no Fluminense. Portanto, redobrado cuidado, para que algum mal-informado, julgando que ainda jogue pelo Lyon, não o convoque de maneira desastrada. O momento é grave e exige máxima cautela. Somos do G20, amanhã do G8 e pleiteamos nossa inclusão no Conselho de Segurança das Nações Unidas: não podemos aceitar patriotadas e nacionalismo estreito como Dunga acaba de fazer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.