Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Mulheres têm mais chance que homens em Paris

Perspectiva de medalhas da seleção feminina do Brasil é melhor que a da masculina na competição que começa na França

Wilson Baldini Jr. / PARIS, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

O 28.º Campeonato Mundial de Judô começa hoje, em Paris, com um panorama inédito para a seleção brasileira. Pela primeira vez, as mulheres entram em uma competição com a mesma expectativa dos homens.

"Conciliamos o talento das garotas com a ótima estrutura proporcionada. Com isso, posso dizer que temos a melhor equipe feminina da história", disse Rosicléia Campos, técnica da equipe de oito atletas, com destaque para a peso ligeiro Sarah Menezes (48 quilos) e a meio-pesado Mayra Aguiar (78 quilos).

Rosicléia, que está no comando da seleção desde 2005, se orgulha de ter ajudado o Brasil a conquistar sua primeira medalha olímpica em 2008, com Ketleyn Quadros. "Meu objetivo agora é o primeiro ouro em Mundial", disse a treinadora, que ano passado festejou a prata de Mayra Aguiar, no Japão.

"O feminino cresceu muito. Tem a mesma base desde 2007, amadureceu, já está conseguindo bons resultados e vai, com certeza, colocar gente no pódio", disse Luiz Shinohara, técnico do masculino, que tem em Tiago Camilo (peso médio) e Leandro Guilheiro (meio-médio) a grande esperança de medalha.

A piauiense Sarah Menezes, de 21 anos, foi duas vezes campeã júnior (2008 e 2009) e já soma duas boas colocações em Mundiais: quinto lugar em 2009 e terceiro em 2010. "Se continuar pulando uma posição, fico com o título", brincou a judoca, de apenas 1,54 metro, que entra no tatame hoje.

Cabeça de chave, luta na segunda rodada, na qual vai pegar a vencedora do duelo entre a ucraniana Olha Sukha e a espanhola Oiana Blanco.

No masculino, o peso ligeiro Felipe Kitadai, de 22 anos, espera o vencedor do confronto entre o checo Pavel Petrikov e o representante do Djibuti, Houmed Hagui.

Já o meio-leve Leandro Cunha (66 quilos), vice-campeão ano passado, também só luta na segunda rodada, diante do vencedor entre o romeno Dan fasie e o armênio Armen Nazarian.

O Mundial será disputado até domingo, no Palais Omnisport Paris Bercy, que estará lotado todos os dias. Os 17 mil lugares do ginásio foram vendidos há um bom tempo para todos os dias. São 880 atletas (524 homens e 356 mulheres), de 132 países. Em 2010, em Tóquio, o Brasil não levou nenhum ouro: ganhou três pratas e um bronze.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.