Mundial de boxe começa nesta terça com 700 pugilistas

Delegação brasileira espera ter um desempenho razoável de acordo com suas possibilidades

23 de outubro de 2007 | 15h33

A seleção de Cuba será a grande ausente no Campeonato Mundial de Boxe, que começa nesta terça-feira, em Chicago. O governo cubano proibiu a participação de seus boxeadores no torneio dos Estados Unidos para evitar o assédio de empresários e deserções. A ausência dos cubanos já havia sido anunciada no fim de agosto, após a tentativa de exílio de dois de seus melhores pugilistas - Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara - no Pan do Rio, em julho.   Entre os pugilistas brasileiros os destaques são o meio-médio Pedro Lima, medalhista de ouro no Pan, o médio-ligeiro Mike Carvalho e o meio-pesado Washington Silva, que disputaram a Olimpíada de Atenas (2004). Completam a equipe: James Dean Pereira, galo; Davi Souza, pena; Everton Lopes, leve; Rafael Lima, pesado; e Gidelson Oliveira, superpesado.   O Mundial vai até 3 de novembro, terá 700 pugilistas de 118 países e dará 80 vagas para a Olimpíada de Pequim, e a delegação brasileira espera obter um desempenho regular, já que adversários mais difíceis estarão nesta competição que no Pan-americano, quando o boxe brasileiro se destacou.

Tudo o que sabemos sobre:
Mundial de boxe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.