Mundial de League of Legends 2019: Confira um guia completo sobre o campeonato

Torneio está em nona edição; descubra o que é o jogo, quem são os favoritos, os grupos e onde assistir

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h27

Em sua nona edição, o Campeonato Mundial de League of Legends, jogo eletrônico desenvolvido pela Riot Games, chega em sua fase principal, após o fim da etapa de entrada, que eliminou o Flamengo, única equipe brasileira na disputa. Pela primeira vez desde 2011, um time fora da Ásia está entre os favoritos para ganhar o torneio, que começou no dia 12 de outubro, no Verti Music Hall, em Berlim, e vai até o dia 20.

Após a fase de grupos, o Palacio Vistalegre, em Madrid, sedia os jogos eliminatórios das quartas de finais (nos dias 26 e 27 de outubro de 2019) e semifinais (nos dias 2 e 3 de novembro), até a partida decisiva,  dia 10 de novembro, no AccorHotels, em Paris. A equipe campeã sai com mais de US$ 2 milhões (aproximadamente R$ 8,2 milhões).  Nos links, é possível entender mais do jogo, do Mundial de Lol, das equipes e dos craques do Lol.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O que é League of Legends

Jogo é disputado em partidas de cinco contra cinco e é jogado por mais de 8 milhões de pessoas diariamente em todo o mundo

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h24

League of Legends (Lol) é um Multiplayer Online Battle Arena (MOBA), disputado por dois times de cinco jogadores cada. Eles selecionam um entre os 145 personagens (chamados de campeões), com características únicas, e se distribuem entre quatro caminhos diferentes do mapa, chamado de Summoner’s Rift: topo, selva, meio e bot (parte de baixo do mapa). O Lol é jogado por mais de 8 milhões de pessoas diariamente em todo o mundo.

Como funciona?

Summoner’s Rift é o único mapa que é usado em partidas profissionais e em jogos do Mundial de League of Legends. O objetivo de cada time é defender o seu Nexus (estrutura de cristal localizada na base). Quem destruir o Nexus adversário primeiro vence o jogo. No caminho até destruir a estrutura, é necessário derrubar torres e inibidores antes.

Vídeo mostra como funciona uma partida de League of Legends:

Há três principais caminhos para chegar até o Nexus: pelo topo, pelo meio ou pelo bot. Em cada uma delas, há três torres que podem ser destruídas. As torres são unidades de defesa que controlam tropas inimigas e campeões adversários. Elas causam dano constante até serem derrubadas. 

A terceira torre protege o inibidor. Quando um inibidor é destruído, a equipe que destruiu a estrutura produz tropas mais poderosas e abre caminho para poder destruir a estrutura principal. Depois do inibidor, restam apenas duas torres e o Nexus. Destruída a estrutura, o time que a derrubou vence a partida.

No meio do caminho, cada campeão ganha experiência ao eliminar tropas inimigas ou da selva. Conforme passa de nível, ele adquire novas habilidades que podem ser usadas contra estruturas, criaturas ou campeões adversários. Cada um dos 145 campeões possuem características singulares que ajudam a compor a estratégia de cada de time

As posições de cada jogador

  • Topo - Rota mais longa que o meio, os personagens do topo caracterizam-se por serem bons em lutas 1 contra 1 e os principais ‘tanques’ do time, responsáveis por absorver o dano adversário. Aqui se posiciona apenas um jogador de cada lado;

     

  • Selva - A rota que dá maior imprevisibilidade ao jogo. Posicionados fora do ponto de visão dos adversários, eles eliminam os monstros posicionados na selva do mapa para ficar mais fortes. Eles são responsáveis por organizar ataques surpresas às rotas adversárias no começo do jogo e obter informações sobre o posicionamento do selva adversário;

     

  • Meio - Uma das posições mais cruciais do jogo. É a rota mais curta do jogo e a principal via para chegar até o objetivo final, a destruição do Nexus inimigo. Por estar num ponto médio, é responsável não apenas por enfrentar o outro meio no 1 contra 1, mas também em apoiar as outras partes do mapa com emboscadas. Nessa posição joga o melhor jogador da história do jogo, Lee ‘Faker’ Sang-hyeok

     

  • Atirador e suporte - Posicionados na parte debaixo do mapa, chamado de bot, atirador e suporte dividem a tarefa na rota. O atirador, no geral, é responsável por ser a unidade de dano consistente ao longo do tempo e o maior causador de dano às estruturas adversárias. É a principal unidade de artilharia. O suporte, por sua vez, abre mão do dinheiro em nome do time. Costuma ser uma unidade que participa no apoio aos outros jogadores, além de ter a função central de dar informação ao time em pontos cegos do mapa.
Tudo o que sabemos sobre:
e-sportRiot Games

Encontrou algum erro? Entre em contato

Como funciona o Mundial de League of Legends

Coreia, China, Europa e América do Norte dominam as 16 vagas da fase de grupos, Brasil foi eliminado na fase de entrada

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h24

O Mundial de League of Legends é um torneio sempre realizado no segundo semestre do ano e é a última competição da temporada. O torneio conhece seus 16 primeiros membros após o final da temporada de verão no hemisfério norte. Os campeões das principais regiões (América do Norte, Europa, Coreia do Sul, China, Vietnã e Taiwan, Hong Kong e Macau) garantem vaga automática para a fase de grupos. A final do Mundial, no ano passado, em Incheon, na Coreia do Sul, foi assistida por 99,6 milhões de espectadores únicos em todo o mundo.

Para as todas as outras regiões, com exceção de Taiwan, há outra vaga de acesso automático para o time que melhor pontuou durante todo ano. Os pontos são ganhos com a soma da performance dos times nos dois torneios nacionais que acontecem durante a temporada: o torneio de primavera e de verão. A China ainda possui uma terceira vaga automática, ganha pelo mesmo sistema. As outras regiões podem participar da região por vaga na fase classificatória.

Nesta fase, 12 times de todo o mundo disputam o acesso para a fase de grupos do torneio. Aqui jogam campeões nacionais de regiões que não possuem acesso direto (como Turquia, Brasil, América Latina Norte e Sul, Japão, Comunidade dos Estados Independentes, Sudeste da Ásia e Oceania) e equipes que ficaram no terceiro lugar entre as que mais pontuaram durante o ano (Coreia, Europa, Vietnã e Taiwan, Hong Kong e Macau).

Dos 12, avançam quatro para a fase de grupos para totalizar 16 times. Neste ano, entre as regiões representadas nos 16 participantes estão Coreia (três times), China (três times), Europa (três times), América do Norte (três times), Taiwan, Hong Kong e Macau (três times) e Vietnã (um time). Após a fase de grupos, começa o “mata-mata” nas quartas de final. As partidas são definidas em melhores de 5 até a final.

A edição atual do Mundial de Lol acontece na Europa. O torneio começou no dia 2, com a fase de entrada, que foi até o dia 8. A fase de grupos, que começa no dia 12 e vai até o dia 20, o Verti Music Hall, em Berlim. O Palacio Vistalegre, em Madrid, sedia os jogos eliminatórios das quartas de final (a acontecer nos dias 26 e 27 de outubro de 2019) e semifinais (nos dias 2 e 3 de novembro), até a partida decisiva,  dia 10 de novembro, no AccorHotels, em Paris. A equipe campeã sai com mais de US$ 2 milhões (aproximadamente R$ 8,2 milhões). 

Todos os campeões do Mundial de Lol

Primeira temporada (2011) - Fnatic (Europa), no Dreamhack Jönköping, Suécia;

Segunda temporada (2012) - Taipei Assassins (Taiwan), em Los Angeles, Estados Unidos;

Terceira temporada (2013) - SK Telecom T1 (Coreia do Sul), no Staples Center, Los Angeles, Estados Unidos;

Quarta temporada (2014) - Samsung Galaxy White (Coreia do Sul), no Estádio da Copa do Mundo de Seul, Seul, Coreia do Sul;

Quinta temporada (2015) - SK Telecom T1 (Coreia do Sul), no Mercedes-Benz Arena, Berlim, Alemanha;

Sexta temporada (2016) - SK Telecom T1 (Coreia do Sul), no Staples Center, Los Angeles, Estados Unidos;

Sétima temporada (2017) - Samsung Galaxy (Coreia do Sul), no Estádio Nacional de Pequim, Pequim, China;

Oitava temporada (2018) - Invictus Gaming (China), no Estádio Munhak de Incheon, Incheon, Coreia do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
e-sportMundial de League of Legends

Encontrou algum erro? Entre em contato

Quem são os melhores jogadores do Mundial 2019 de League of Legends

O 'Messi do Lol' nasceu na Coreia e já tem três títulos mundiais; país asiático tem os melhores jogadores do mundo

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h24

A hegemonia coreana está entre os times e os jogadores: entre os 155 jogadores da competição deste ano, 41 nasceram na Coreia do Sul, o que totaliza quase um terço do elenco de todos os clubes participantes desta edição do Mundial de League of Legends. O destaque vai para Lee 'Faker' Sang-hyeok, o Messi do Lol. Ele é tricampeão mundial e foi até a final em todas as edições do maior torneio de Lol da temporada.

Conheça alguns dos destaques da competição:

O ‘Messi’ do Lol

Lee ‘Faker’ Sang-hyeok começou a jogar League of Legends profissionalmente em 2013, aos 16 anos, já com a expectativa de se tornar uma estrela. Em sua partida de estreia, enfrentou o melhor jogador da Coreia em sua posição, meio: Kang ‘Ambition’ Chan-yong — e venceu de forma contundente. 

No mesmo ano, com a SK Telecom T1, ele ganharia o seu primeiro título mundial, em casa, contra a chinesa Royal Club. A fama o rendeu o apelido de "Messi do Lol" na Coreia do Sul, seu país de origem. Desde então, são três títulos (2013, 2015, 2016) em quatro aparições (2013, 2015, 2016, 2017) em mundiais — em todas, seu time chegou à final. 

'Faker' é o jogador com mais aparições individuais em partidas de campeonatos mundiais. Ausente da competição no ano passado, seu time foi campeão do último campeonato sul-coreano, o que garantiu a SK Telecom a cabeça de chave do Grupo C, o grupo da morte. Nesta edição, pode se tornar, de forma isolada, o jogador com mais títulos em Mundais, o tetracampeonato, para superar Bae 'Bengi' Sung-woong, seu ex-parceiro de time.

Novatos, porém decisivos

Durante a sua carreira, ‘Faker’ sempre contou com o apoio da dupla dinâmica de seu selva, para ditar o ritmo de jogo. Assim foi a parceria com Bae ‘Bengi’ Sung-woong, que rendeu três títulos mundiais. Na atual temporada, ‘Faker’ encontrou em Kim ‘Clid’ Tae-min, o nome para levar a SK Telecom T1 de novo ao posto de uma das maiores equipes do mundo. É a sua primeira participação em mundiais e a chance de provar que é o melhor selva do mundo.

A competição está, principalmente a nível doméstico, contra Lee ‘Tarzan’ Seung-yong, um dos selvas mais eficientes da Coreia desde 2018, que finalmente terá a chance de mostrar ao mundo o seu talento, com a estreia da Griffin em mundiais.

As estrelas da China

O jovem Yu ‘JackeyLove’ Wen-Bo, de apenas 18 anos, pode ser a maior estrela na posição de atirador, mas os holofotes ainda estão apontados para Jian ‘Uzi’ Zi-Hao, considerado o melhor atirador de todos os tempos e o melhor jogador chinês em atividade. Vice-campeão mundial duas vezes, Uzi vai para a sua sexta aparição em Mundiais, com a expectativa de, finalmente, chegar ao seu primeiro título.

Mas o jogador em melhor fase de um time chinês é um coreano. Kim ‘Doinb’ Tae-sang é o jogador do meio da FunPlus Phoenix, e um dos principais responsáveis pelo sucesso do time na reta final do campeonato chinês. Usando de campeões fora do comum e estratégias não-ortodoxas, ‘Doinb’ dominou o cenário e faz a sua primeira aparição em Mundiais após ter sido frustrado em 2015, quando, por brigas internas, seu antigo time, a Qiao Gu Reapers, perdeu a oportunidade de figurar no torneio daquele ano.

O diferencial da Europa

Desde que o croata Luka ‘Perkz’ Perković chegou ao time de LoL do G2, em 2016, nenhum time foi tão dominante na Europa. São seis troféus europeus, vice-campeonato de Mid-Season Invitational de 2017, semifinais do Mundial de 2018 e o título do Mid-Season Invitational deste ano.

Em 2019, trocou a sua posição do meio para atirador, após a chegada do dinamarquês Rasmus ‘Caps’ Winther, e se tornou o melhor da sua posição no continente. Novamente insuperável, a G2 se tornou a equipe a ser vencida. Nas três competições em que participou durante o ano, seu time venceu as três.

A última vez em que uma equipe não asiática ganhou um Mundial foi em 2011, na primeira edição, numa final 100% europeia entre Fnatic e Against All Authority. Se a expectativa hoje é que um time europeu derrube a hegemonia de sete anos da Ásia, Marcin ‘Jankos’ Jankowski, G2 Esports, é um dos grandes responsáveis por isso. O polonês, que atua na selva, é o responsável por ditar o ritmo de jogo da equipe no começo e ser o responsável pelas vitórias categóricas que o time acumulou durante o ano. 

Tudo o que sabemos sobre:
e-sportMundial de League of Legends

Encontrou algum erro? Entre em contato

Quais são os times e os grupos no Mundial 2019 de League of Legends

Coreia do Sul tenta resgatar a hegemonia e a Europa vem como favorita pela primeira vez, graças ao time da G2

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h24

O atual campeão mundial vem da China, mas a presença da SK Telecom T1 e a performance dominante da G2 Esports dá o favoritismo para a Coreia do Sul e Europa nesta edição de 2019 do Mundial de League of Legends. Os coreanos conquistaram metade de todos os troféus — dos quatro, três são da SK Telecom T1 — e vão se fazer valer da tradição para trazer o título de volta para o país.

A G2 Esports vem para o Mundial com a intenção de trazer o título de volta para o ocidente. Desde a segunda edição, apenas países asiáticos levaram a Taça do Invocador e o prêmio milionário do campeão para casa. A tarefa não será fácil, mas se o time europeu vencer o torneio, vai terminar 2019 com todos os troféus do ano.

Grupo A

G2 Esports - Europa

Cloud 9 - América do Norte

Griffin - Coreia

Hong Kong Attitude - Taiwan, Hong Kong e Macau

Grupo de um dos favoritos ao título, o G2 Esports terá  boa oportunidade de mostrar por que é um dos eleitos para levar um troféu para a Europa após oito anos. A rivalidade Europa-América do Norte é uma das mais intensas e garante bons jogos. O Cloud 9 costuma fazer partidas difíceis contra os europeus e pode surpreender. 

O sul-coreano Griffin tem, finalmente, a oportunidade de mostrar o potencial do time em palco internacional, após ter a classificação frustrada em 2018. A equipe é a mesma que chegou a duas finais coreanas neste ano, mas ainda conta com a falta de experiência de vencer em momentos cruciais.

Já o Hong Kong Atittude terá grandes problemas no grupo. Time mais fraco entre os quatro, qualquer vitória contra qualquer um dos rivais já seria uma surpresa.

Grupo B

J Team - Taiwan, Hong Kong e Macau

FunPlus Phoenix - China

Splyce - Europa

GAM Esports - Vietnã

Melhor time da China, o FunPlus Phoenix não deverá ter muitas surpresas no grupo. Splyce vem como a terceira força europeia e deve brigar pela segunda vaga do grupo com o J Team, de Taiwan. A região, campeã do mundial em 2012, ainda tem muito a provar, mas conta com fator surpresa de uma região que não possui muitos holofotes.

O GAM Esports, do Vietnã, é o fator crucial para europeus e taiwaneses. Um tropeço contra a equipe pode ser decisivo para garantir a classificação. 

Grupo C

SK Telecom T1 - Coreia

Royal Never Give Up - China

Fnatic - Europa

Clutch Gaming - América do Norte

Com três finalistas de mundial entre os quatro participantes, o Grupo C é chamado Grupo da Morte. O coreano SK Telecom T1 tem a estrela de Lee ‘Faker’ Sang-hyeok e um elenco renovado, com jogadores como  Kim ‘Clid’ Tae-min e Park ‘Teddy’ Jin-seong, que atuaram bem em nível nacional. A tradição do time o coloca como franco-favorito da chave para avançar. Todas as quatro vezes em que participou do Mundial, o time chegou à final, vencendo três delas. Em todas as quatro vezes, ‘Faker’ esteve presente.

Estão na briga pela segunda vaga o chinês Royal Never Give Up e o europeu Fnatic. O Royal conta com a estrela de Jian ‘Uzi’ Zi-Hao para poder avançar, mas tem o desafio de encontrar a segunda força europeia e campeão da primeira edição mundial, o Fnatic. O time de Martin ‘Rekkles’ Larsson foi vice-campeã europeia contra o G2, indo até o último jogo da melhor de 5. Os chineses podem se surpreender.

O Clutch Gaming precisa de um milagre para conseguir avançar. Tem a estrela de Heo ‘Huni’ Seung-hoon, mas atua contra um grupo recheado dos melhores jogadores e de times tradicionais. Seria necessário fazer muito mais do que o time fez durante todo o ano.

Grupo D

DAMWON Gaming - Coreia

Invictus Gaming - China

Team Liquid - América do Norte

ahq e-Sports Club - Taiwan, Hong Kong e Macau

A atual campeã mundial, Invictus Gaming, tem uma difícil tarefa. Team Liquid, melhor time da América do Norte, vem em  boa fase após vencer os dois campeonatos nacionais do ano e ser vice-campeão do Mid Season Invitational. É  favorito no grupo.

Resta a briga entre o coreano DAMWON Gaming e o Invictus, em que a experiência pode pesar. O DAMWON faz sua estreia em Mundiais neste ano, enquanto o Invictus Gaming não mexeu no elenco campeão e, se estiver em bom momento, tem o talento de Kang ‘TheShy’ Seung-lok. O taiwanês Ahq, mesmo aparecendo com frequência em Mundiais, pouco deve conseguir no grupo. 

Quais são os favoritos?

Em certa oportunidade, Gary Lineker, ex-jogador de futebol inglês e artilheiro da Copa do Mundo de 1986, disse em célebre frase que “o futebol é um esporte jogado por 11 contra 11 e no qual a Alemanha sempre ganha”. É possível adaptar a frase para o Lol: “League of Legends é um e-sport jogador por 5 contra 5 e no qual a Coreia sempre ganha”. Dois oito Mundiais, os sul-coreanos venceram cinco — três apenas da SK Telecom T1, que volta à competição após a ausência em 2018. Entre os 155 jogadores da competição deste ano, 41 nasceram na Coreia do Sul — o que totaliza quase um terço. 

O desafio da vez é europeu. O G2 Esports também ganhou todos os títulos europeus, mas também dominou no torneio internacional do meio da temporada, o Mid-Season Invitational. A conquista chamou os holofotes para todo o time, que vem pressionado para tentar a segunda conquista do Mundial de Lol para o ocidente — apenas a Fnatic, na primeira temporada, em 2011, conseguiu o feito.

Tudo o que sabemos sobre:
eSportsMundial de League of Legends

Encontrou algum erro? Entre em contato

Saiba onde assistir e veja o calendário de jogos do Mundial 2019 de League of Legends

Torneio começou com a fase de entrada no dia 2 e vai até o dia 10 de novembro; todos os jogos podem ser vistos online

Levy Teles, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2019 | 21h24

Iniciado no dia 12 de outubro, no Verti Music Hall, em Berlim, a fase de grupos  do Mundial de League of Legends vai até o dia 20, para dar lugar ao "mata-mata". O Palacio Vistalegre, em Madrid, sedia os jogos eliminatórios das quartas de finais (a acontecer nos dias 26 e 27 de outubro de 2019) e semifinais (nos dias 2 e 3 de novembro). A partida decisiva acontece dia 10 de novembro, no AccorHotels, em Paris. Todas as partidas do Mundial de Lol terão transmissão pela internet.

Onde assistir ao Mundial de Lol

As partidas podem ser acompanhadas ao vivo no canal da Riot Games na plataforma de Twitch ou pelo Youtube, no canal de idiomas preferido. A novidade para a competição de 2019 para quem já está mais habituado ao jogo é o Pro View. O serviço é pago e garante sincronização de múltiplas transmissões, informações avançadas e a funcionalidade de assistir às partidas online com amigos.

Calendário de jogos do Mundial de Lol

Fase de grupos

Sábado — 12 de outubro — Verti Music Hall, Berlim

9h - Fnatic 0x1 SK Telecom T1

10h - Royal Never Give Up 1x0 Clutch Gaming

11h - Invictus Gaming 1x0 ahq e-Sports Club

12h- DAMWON Gaming 0x1 Team Liquid

13h- J Team 1x0 FunPlus Phoenix

14h- GAM Esports 0x1 Splyce

Domingo — 13 de outubro

9h - SK Telecom T1 1x0 Royal Never Give Up

10h - Fnatic 1x0 Clutch Gaming

11h - Team Liquid 0x1 Invictus Gaming

12h - ahq e-Sports Club 0x1 DAMWON Gaming

13h - Griffin 0x1 G2 Esports

14h - Cloud 9 1x0 Hong Kong Attitude

Segunda — 14 de outubro

10h - Invictus Gaming 0x1 DAMWON Gaming

11h - ahq e-Sports Club 0x1 Team Liquid

12h - FunPlus Phoenix 1x0 Splyce

13h - J Team 0x1 GAM Esports

14h - Griffin 1x0 Hong Kong Attitude

15h - Cloud 9 0x1 G2 Esports

Terça — 15 de outubro

10h - Royal Never Give Up 1x0 Fnatic

11h - Clutch Gaming 0x1 SK Telecom T1

12h - FunPlux Phoenix 1x0 GAM Esports

13h - Splyce 0x1 J Team

14h - Cloud 9 0x1 Griffin

15h - Hong Kong Attitude 0x1 G2 Esports

Quinta — 17 de outubro

10h - GAM Esports 0x1 FunPlus Phoenix

11h - J Team 0x1 Splyce

12h - GAM Esports 0x1 J Team

13h - Splyce 1x0 FunPlus Phoenix

14h - Splyce 1x0 GAM Esports

15h - FunPlus Phoenix 1x0 J Team

16h- FunPlus Phoenix 1x0 Splyce (partida de desempate pela liderança do grupo C)

Sexta — 18 de outubro

10h - Griffin 1x0 Cloud 9

11h - G2 Esports 1x0 Hong Kong Attitude

12h - Hong Kong Attitude 0x1 Griffin

13h - Cloud 9 0x1 G2 Esports

14h - Hong Kong Attitude 0x1 Cloud 9

15h - G2 Esports 0x1 Griffin

16h - Griffin 1x0 G2 Esports (partida de desempate pela liderança do grupo A)

Sábado — 19 de outubro

9h - Royal Never Give Up 0x1 SK Telecom T1

10h - Clutch Gaming 0x1 Fnatic 

11h - SK Telecom T1 0x1 Fnatic

12h Clutch Gaming 0x1 Royal Never Give Up

13h - SK Telecom T1 1x0 Clutch Gaming

14h - Fnatic 1x0 Royal Never Give Up

Domingo — 20 de outubro

9h - ahq e-Sports Club 0x1 Invictus Gaming

10h - Team Liquid 0x1 DAMWON Gaming

11h - Team Liquid 1x0 ahq e-Sports Club

12h - DAMWON Gaming 1x0 Invictus Gaming

13h - DAMWON Gaming 1x0 ahq e-Sports Club

14h - Invictus Gaming 1x0 Team Liquid

Eliminatórias

Quartas de final — Palacio Vistalegre, Madrid

Sábado — 26 de outubro

7h - Griffin x Invictus Gaming

12h - FunPlux Phoenix x Fnatic

Domingo — 27 de outubro

8h - SK Telecom T1 x Splyce

13h - DAMWON Gaming x G2 Esports

Semifinais — Palacio Vistalegre, Madrid

Sábado — 2 de novembro

8h - A ser definido x A ser definido

Domingo — 3 de novembro

9h - A ser definido x A ser definido

Final

Domingo — 10 de novembro

10h - A ser definido x A ser definido

 

Tudo o que sabemos sobre:
eSportsMundial de League of Legends

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.