Mundial do Rio tem público recorde em dia ruim do Brasil

O quarto dia do Mundial de Judô, nesta quinta-feira, no Rio, foi o primeiro que não teve brasileiros nas finais. Mas, curiosamente, foi o que recebeu maior público. Pelo menos 4 mil pessoas compareceram ao ginásio do Maracanãzinho para acompanhar a segunda parte da competição, que é dividida diariamente entre eliminatórias (com início às 10 horas) e finais (a partir das 16 horas).

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Agência Estado

29 de agosto de 2013 | 18h33

O aumento de público não se deve às pessoas que voluntariamente reservaram ingressos para assistir às finais desta quinta-feira no Maracanãzinho, mas, sim, ao "Lotação Esgotada", programa da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) cuja função já é explicada no nome.

A CBJ procurou as secretarias de esporte do município e do Estado do Rio para oferecer a oportunidade de crianças e adolescentes carentes assistirem ao Mundial em local privilegiado. Todas as tardes, os lugares de cadeiras e arquibancadas que aparecem de fundo na imagem do tatame 2 (onde acontecem as finais), são reservadas ao "Lotação Esgotada". Quem fica nessas áreas usa camiseta promocional das três empresas nacionais que patrocinam o campeonato: Petrobras, Bradesco e Sadia.

As próprias placas de indicação do Maracanãzinho apontam para o "Lotação Esgotada", deixando claro que não há espaço ali para o torcedor comum (até jornalistas são barrados). Nesta quinta-feira, mais de 2 mil crianças e adolescentes ocuparam estes lugares. De acordo com Anne Boechat, coordenadora do projeto, 46 ônibus foram ao Maracanãzinho.

Esses jovens vêm de escolas municipais e estaduais do Rio e de projetos sociais, como as Vilas Olímpicas. Tanto na quarta-feira quanto nesta quinta, dias em que lutaram Rafaela Silva e Victor Penalber, o Instituto Reação, onde eles treinam, esteve presente em peso no Maracanãzinho. Na quarta, deu sorte para Rafaela, que conquistou o primeiro título mundial do judô feminino brasileiro. Nesta quinta, porém, nem viram Penalber, eliminado ainda na etapa da manhã, lutar.

Formado também por pessoas com deficiência, o público do "Lotação Esgotada" recebe até alimentação durante a estada de cerca de três horas no Maracanãzinho: um lanche de queijo e presunto, suco de frutas e uma barrinha de cereal.

Apesar da maioria absoluta de crianças e adolescentes nas arquibancadas, os hits mais puxados pelos animadores de torcida no Mundial, antes do começo das lutas, são os funks "Show das Poderosas", de Anitta, e "Amor de Chocolate", de Naldo.

Tudo o que sabemos sobre:
judôMaracanãzinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.