Mundial: revezamento feminino na final

Raquel Costa, Lucimar Moura, Thatiana Ignácio e Luciana Santos conseguiram colocar o revezamento 4 x 100m do Brasil na final pela primeira vez na história dos Mundiais, em Helsinque (Finlândia). As meninas correram as eliminatórias em 43s22, nesta sexta-feira, no Estádio Olímpico - o sexto tempo das três séries (a melhor marca foi dos EUA, com 42s16). Raquel acha que ainda pode aprimorar tanto sua largada quanto sua passagem do bastão, o que poderá ser ainda um ganho interessante para a equipe. A final será às 14h40 deste sábado (horário de Brasília). O Brasil também disputa, às 15h05 (de Brasília), o revezamento 4 x 400m, com Maria Laura Almirão, Geisa Coutinho, Josiane Tito e Lucimar Teodoro. O revezamento masculino, no entanto, não foi à final, com 38s92 (Trinidad e Tobago, com 38s28, fez o melhor tempo). "Esperávamos correr bem melhor", afirmou André Domingos, o último a correr numa seqüência com Cláudio Roberto Souza, Bruno Pacheco e Basílio de Moraes. O revezamento do Brasil foi medalha de prata no Mundial de Paris (2003). O barreirista Matheus Inocêncio cometeu um erro na quarta passagem e ficou em oitavo na final dos 110m com barreiras. "Queria ser quinto ou sexto, ainda bem que a diferença de tempo não foi um horror", disse Matheus, que fez 13s48 - o sexto e sétimo fizeram 13s47 na prova vencida pelo francês Ladji Doucoré (13s07). Matheus disputa a Universíade, na Turquia, na segunda e terça-feira, dia 19 tem um meeting em Zurique (Suíça) e ficará na sua base na Europa, a cidade italiana de Siena, até o fim da temporada. A arremessadora de peso Elisângela Adriano, voltando de uma cirurgia no quadril feita há três meses, ficou decepcionada por não ir à final, como nos outros dois mundiais que disputou. O marchador Sérgio Galdino parou após o Km 35 da marcha atlética de 50 km - machucou o pé num buraco de uma lateral de trilho de bonde. A prova foi ganha pelo russo Sergey Kirdyapkin, com 3h38min08. Jadel Gregório não apareceu para as eliminatórias do salto em distância, após a decepção pelo sexto lugar no salto triplo, na quinta. Jadel teve uma contratura na coxa, que não é grave, e continuará na Europa para o restante da temporada - disputa a Final Mundial do Atletismo, em Mônaco, no dia 11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.