Muricy ataca os críticos

Técnico desabafa e diz que time não entrou em crise após fiasco no Chile

Daniel Akstein Batista e Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

14 de abril de 2008 | 00h00

O técnico Muricy Ramalho desabafou depois da vitória sobre o Palmeiras, ontem, no Morumbi. ''Eu não fico chorando pelos cantos, lamentando meus problemas, trabalho meu time, caso contrário, levaria um baile do Palmeiras'', afirmou. ''Mas no futebol brasileiro é assim: só o treinador perde, o time todo ganha'', resumiu. O treinador estava irritado com as críticas que recebeu pela má atuação da equipe na derrota por 1 a 0 para o Audax Italiano, na quinta-feira, no Chile, pela Taça Libertadores, e as insinuações de que o time estaria em crise.Na entrevista coletiva, Muricy revelou um dos artifícios para modificar a postura do São Paulo no clássico. Na véspera, conversou com os jogadores por quase uma hora, no CCT da Barra Funda. ''Precisávamos ter um plano de jogo, porque não estávamos em condições de igualdade com o Palmeiras, pois nem tivemos tempo de treinar nesta semana'', observou. ''Tínhamos de marcar bem alguns jogadores do Palmeiras e deixar o Adriano e o Dagoberto no mano-a-mano. E deu certo'', constatou.O treinador também elogiou a aplicação da equipe, que marcou bem os laterais do rival. ''Eles atacam muito, e também precisávamos ter cuidado no meio, onde o Palmeiras sempre teria um a mais'', analisou Muricy, que lamentou o gol do Palmeiras. ''A vantagem poderia ter sido maior. Mas derrotar o Palmeiras é sempre difícil. Eles continuam favoritos'', opinou.Quando perguntado sobre a estratégia que adotará no segundo duelo, sem dois de seus marcadores - Zé Luis e Richarlyson, suspensos - o treinador despistou. ''Não vou comentar isso, porque vão dizer que eu estou reclamando. Mas estamos em situação complicada, pois eles são jogadores importantíssimos'', ressaltou.Muricy terá a semana toda para treinar a equipe. O último jogo da primeira fase da Taça Libertadores - contra o Atlético Nacional, de Medellín - será apenas no dia 23.JUVÊNCIO PERTO DA VITÓRIAJuvenal Juvêncio praticamente garantiu sua reeleição como presidente do São Paulo, após a ampla vitória da situação sobre a oposição na votação para o Conselho Deliberativo, no sábado. A chapa amarela, da situação, elegeu 62 conselheiros contra 18 da chapa vermelha, de oposição. Eles vão votar no pleito, que deverá ser no dia 22. Aurélio Miguel é o candidato da oposição, contra Juvêncio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.