Muricy desabafa: ''Tentaram me derrubar, mas não desisto nunca''

Quando o São Paulo garantiu a vaga nas oitavas-de-final da Taça Libertadores, Muricy Ramalho deu sua resposta. ''Quiseram fazer uma ondinha, tentaram me desestabilizar, mas eu não desisto nunca'', declarou.A pressão começou com a má campanha na competição continental - o São Paulo correu grande risco de não chegar às oitavas - e só aumentou após a eliminação no Campeonato Paulista. Os nomes dos preferidos para substituir Muricy já ecoavam pelos corredores do Morumbi. Até o presidente do Flamengo, Márcio Braga, parecia contar com a demissão de Muricy para tentar levá-lo para o Rio. ''Grande treinador, top de linha, tem o perfil do Flamengo e o meu aval'', disse Braga ao Estado, momentos antes do jogo entre São Paulo e Nacional.''Eu quebrar contrato?! É ruim!'', repetiu Muricy, após o jogo. ''Agora vamos lutar pelo título da Libertadores.'' O presidente Juvenal Juvêncio, principal fiador do técnico entre os cardeais tricolores, também lhe garantiu o emprego.O São Paulo inscreverá três novos jogadores para as oitavas-de-final da Taça Libertadores. O primeiro é o lateral-direito Jancarlos, que entra na vaga de Carlos Alberto, afastado do grupo por indisciplina. Contratado há um mês do Atlético-PR, o jogador ainda não estreou.As outras duas vagas estão indefinidas. O São Paulo precisa de um zagueiro e um meia. A necessidade é tanta que até Rogério Ceni falou sobre o assunto, após a vitória sobre o Atlético Nacional de Medellín, que classificou o time às oitavas-de-final da Libertadores. ''Vamos ver como o time fica com os reforços'', declarou o capitão. O vice de futebol Carlos Augusto Barros e Silva garantiu que os nomes só serão definidos no final de semana. ''Não podemos trazer ninguém de fora do País e isso dificulta'', declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.