Muricy, dividido por uso da base

Pelo 2.º lugar, técnico avalia se é boa ideia usar juniores em Prudente

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2009 | 00h00

O técnico Muricy Ramalho está dividido. Ao mesmo tempo em que reconhece a hierarquia dentre do São Paulo, preocupa-se, obviamente, com os resultados em campo. Por isso, ainda não está totalmente convencido de que é uma boa ideia levar para Presidente Prudente um time de juniores - o duelo foi transferido para o interior a pedido do São Caetano, mandante do último jogo da primeira fase do Campeonato Paulista.Graças à vitória sobre o Palmeiras (1 a 0) no sábado e o empate sem gols do Corinthians diante do Guarani, o São Paulo chegou à vice-liderança do Estadual. Manter-se na segunda posição é extremamente vantajoso: a vaga para a final será decidida em casa e, ainda, com a vantagem do empate."O importante é classificar e ainda não conquistamos a vaga. Esse é o pensamento de todos. Mas é claro que o time com melhor colocação leva vantagem (na semifinal)", analisou o técnico. "Algumas vezes tivemos que deixar o Paulista um pouco de lado e, se pudermos classificar em 2º lugar, melhor. Por isso temos que pensar bem sobre Presidente Prudente."Logo após o clássico, Muricy falou sobre a escalação dos juniores. Foi realista. "Não fui informado de nada ainda. Por enquanto, estou pronto para levar o que temos de melhor. Mas o clube tem uma hierarquia e eu respeito. Sou parceiro. Se a diretoria achar que é melhor assim, aceito."O time do Morumbi volta aos treinos hoje, depois de o elenco ter aproveitado o domingo em casa - os jogadores não tiravam um dia de folga desde o carnaval. Borges, que não jogou o clássico por causa de dores no joelho, pode reforçar a equipe no jogo contra o Guaratinguetá, quinta-feira, em casa. Uma vitória na partida praticamente garantirá a equipe nas semifinais. Resta saber em qual posição.BARÇA DE OLHO NO 10O Barcelona não desiste de Hernanes. Tanto que um observador do clube catalão esteve no Morumbi para observar o camisa 10 durante o clássico contra o Palmeiras. As informações são do diário espanhol Sport.O São Paulo afirma desde a metade de 2008 que o jogador não deixa o clube por menos que 25 milhões (R$ 75 milhões). No ano passado, o Barça ofereceu 11 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.