Alexandre Arruda/Divulgação
Alexandre Arruda/Divulgação

Murilo quer um ouro no Rio em 2016 para completar a coleção de medalhas

Jogador da seleção quer superar as dores no ombro para brilhar diante de sua própria torcida

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2013 | 02h08

SÃO PAULO- Ao lado do levantador Bruninho, o ponteiro Murilo é considerado uma das peças mais importantes da seleção masculina de vôlei. Aos 31 anos e com duas medalhas olímpicas de prata, ele quer quebrar o jejum em 2016 e colocar um ouro em sua galeria de conquistas.

Como você avalia o sucesso do vôlei no Brasil?

MURILO - Acho que é resultado de um planejamento bem feito e bem executado por anos. O vôlei é um esporte em constante crescimento, uma modalidade que vem se renovando, cada vez mais se fortalecendo e isso é importante. Hoje, o esporte precisa ser gerenciado como uma empresa, você precisa valorizar o seu produto, investir na marca e agradar ao cliente, no caso, ao público, ao torcedor. E acho que o vôlei conseguiu e vem conseguindo isso. Todos têm responsabilidade e mérito nesse momento pelo qual o vôlei passa, nas conquistas e no que o esporte se transformou.

O que o esporte trouxe de benefícios para você?

MURILO - O esporte traz muitos benefícios, desde saúde, disciplina, até amizades e valores pessoais. A prática esportiva é importante, seja como uma forma de se manter saudável, seja como profissão, no alto nível, em qualquer idade. O esporte é democrático e oferece muitas coisas boas para quem pratica. A competitividade, o trabalho em equipe, o convívio em grupo, saber lidar com vitórias e derrotas, tudo isso ajuda na formação da personalidade.

Como é ser considerado um dos melhores jogadores da atualidade?

MURILO - O prêmio individual, na verdade, precisa ser dividido com os meus companheiros e comissão técnica. Vôlei é um esporte coletivo, o jogador pode até se destacar em um jogo, em um campeonato, mas isso é fruto do trabalho de todos na equipe. Fico feliz com os prêmios que recebi, faço questão de dividir com o restante do grupo, e isso só faz aumentar a minha responsabilidade.

Quais são as suas expectativas para os Jogos do Rio, em 2016?

MURILO - As melhores possíveis. Torço e acredito muito que o Brasil vai promover a Olimpíada e o mundo vai aprovar. Receber um evento como esse é uma experiência única para o País, para os atletas e para os torcedores. Espero que os esportes tenham, cada vez mais, apoio, suporte e investimento, para que os atletas possam render o seu máximo.

Como projeta seu ciclo olímpico?

MURILO - Hoje, a minha preocupação é fazer a cirurgia no ombro e me recuperar bem. Quero voltar bem, sem limitações, sem dores. Jogar em 2016 é um objetivo, todos os atletas querem disputar a Olimpíada no Brasil e com certeza será algo inesquecível. Quero me preparar bem e estar na Seleção Brasileira em 2016.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiRio 2016outros esportesMurilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.