Comtiê Olímpico do Brasil
Comtiê Olímpico do Brasil

MVP no título mundial de 2013, Duda Amorim se aposenta da seleção de handebol

' Já antes da pandemia, havia pensado em parar após as Olimpíadas de Tóquio. Agora posso dizer, com paz no coração, essa minha decisão', escreveu

Redação, Estadão Conteúdo

26 de outubro de 2021 | 05h00

Chegou ao fim nesta segunda-feira a linda história de amor e conquistas entre Duda Amorim e a seleção brasileira de handebol. Aos 35 anos, a MVP da conquista do Mundial de 2013, na Sérvia e eleita a melhor do planeta no ano seguinte, usou suas redes sociais para anunciar que não defenderá mais o País.

"Oficialmente, venho trazer a notícia da minha aposentadoria na Seleção Brasileira. Já antes da pandemia, havia pensado em parar após as Olimpíadas de Tóquio. Agora posso dizer, com paz no coração, essa minha decisão", escreveu Duda Amorim. "Orgulhosa e com sensação de dever cumprido de ter vestido a camiseta do meu país por tantos anos, sempre dando o meu máximo e aprendendo muito. Me sinto muito honrada por ter representado o Brasil em todas as oportunidades que me foram dadas."

A caminhada de Duda Amorim com a seleção brasileira principal começou em 2006. No ano seguinte, a primeira conquista importante: o ouro no Pan-Americano do Rio. Colocaria a medalha da disputa continental no peito outras duas vezes, em Guadalajara 2011 e Lima 2019.

O auge da carreira aconteceu na temporada de 2013, na qual conquistou a Liga dos Campeões da Europa com o Gyori, da Hungria, e foi a melhor jogadora da impecável campanha brasileira no Mundial de Handebol da Sérvia. O Brasil ganhou os nove jogos disputados e fechou a brilhante jornada com 22 a 20 na final contra as anfitriãs. Duda Amorim foi a MVP da conquista do ouro e seria escolhida no ano seguinte como a melhor jogadora do planeta em eleição no site da Federação Mundial.

"Foi uma prazer jogar com várias gerações diferentes, trabalhar com profissionais excepcionais e superar tantos desafios. Gostaria de agradecer imensamente a todos que me ajudaram, a todos que torceram muito pela seleção esses anos todos", agradeceu em seu ato de despedida.

E listou os agradecimentos: "Às comissões técnicas, às atletas que já dividiram esse espaço comigo e aos brasileiros que gostam de handebol e consomem essa modalidade de uma maneira apaixonante. Me considero privilegiada de ter dividido tantos momentos gratificantes com todos vocês!", seguiu. "Continuo com novos planos, torcendo sempre de longe e a disposição de continuar ajudando o handebol brasileiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.