Na África, 14 equipes lutam por seis vagas

Rodada de hoje definirá os últimos classificados para a fase final. Gana, Costa do Marfim, Egito e Argélia estão garantidos

O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2013 | 02h05

O dia será quente no continente africano, com 14 seleções lutando pelas últimas seis vagas para a fase final das Eliminatórias (Costa do Marfim, Gana, Egito e Argélia já garantiram a classificação). E entre as que brigam para avançar estão equipes tradicionais como África do Sul, Camarões e Nigéria. As dez equipes classificadas brigarão por cinco vagas no Mundial em confrontos de ida e volta que serão definidos por sorteio.

O Grupo A tem três times na disputa: Etiópia (dez pontos). África do Sul (nove) e Botswana (sete). A Etiópia já tinha a classificação garantida, mas perdeu três pontos por ter escalado um jogador em situação irregular na vitória sobre Botswana e agora terá de derrotar hoje a República Central Africana fora de casa para não perder do resultado de África do Sul e Botswana em Durban.

"É um jogo de vida ou morte para nós", disse o técnico etíope Sewnet Bishaw.

O sul-africano Gordon Igesund quer que seu time esqueça o jogo do adversário durante 90 minutos.

"É claro que queremos que a Etiópia perca ou empate, mas durante a nossa partida temos de nos concentrar apenas em construir a vitória. Se ficarmos pensando no jogo deles nossa tarefa será mais difícil."

No Grupo B a briga está entre Tunísia e Cabo Verde. Os tunisianos têm dois pontos de vantagem (11 a nove) e recebem o rival diante de sua torcida.

O Grupo C é outro que tem três equipes no páreo: Congo (dez pontos), Burkina Faso (nove) e Gabão (sete). Os jogos de hoje são Burkina Faso x Gabão e Níger x Congo.

Um dos jogos mais tensos do dia reunirá Nigéria e Malawi, as duas seleções que lutam pela classificação no Grupo F. Durante a semana, o técnico nigeriano Stephen Keshi disse que o comandante do adversário, o belga Tom Saintfiet, "é um branquelo que devia voltar para o seu país". O belga não gostou e enviou um protesto à Fifa por ter considerado a declaração racista.

A partida será na Nigéria, e os donos da casa jogarão pelo empate por terem dois pontos de vantagem (nove a sete). Apesar disso, Saintfiet está otimista. "Estamos a 270 minutos de garantir presença no Mundial. Só a vitória nos interessa contra a Nigéria, e na minha opinião cada time tem 50% de chance de vencer o grupo. Sabemos que a Nigéria é forte, mas confio muito nos meus jogadores."

Os nigerianos prometem uma postura agressiva, sem ficar jogando com o regulamento embaixo do braço.

"A partir do apito inicial vamos em busca da vitória. Seria um suicídio entrar em campo pensando em jogar os 90 minutos para defender o empate", disse o goleiro Enyeama

Liderança no tapetão. O Grupo I também será decidido num confronto direto, e com vantagem para os donos da casa. Camarões, que lidera com dez pontos, receberá a Líbia, segunda colocada com nove.

Os camaroneses ganharam no tapetão os pontos da derrota para Togo porque o adversário escalou um jogador em situação irregular.

A última vaga em jogo será disputada entre Senegal e Uganda, que se enfrentarão no campo do primeiro. Os senegaleses têm um ponto de vantagem (nove a oito), e por isso jogam pelo empate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.